Economia

Petrobras prevê perfurar novos poços do pré-sal em 2025 para garantir futuro da bacia de Campos

Exploração está ligada aos investimentos na revitalização dos campos maduros e ao descomissionamento de antigas plataformas na região

Magda Chambriand, ex-diretora da Agência Nacional de Petróleo  (Lucas Landau/Getty Images)

Magda Chambriand, ex-diretora da Agência Nacional de Petróleo (Lucas Landau/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 13 de junho de 2024 às 16h16.

Última atualização em 13 de junho de 2024 às 16h32.

Tudo sobrePetrobras
Saiba mais

A Petrobras se prepara para explorar, no ano que vem, novos poços do pré-sal que poderão ser "o futuro da bacia de Campos", disse no Macaé Energy 2024 o gerente-geral da Unidade de Negócios da Petrobras na bacia de Campos (UN-BC), Alex Murteira Celem. Segundo ele, a exploração se junta aos investimentos na revitalização dos campos maduros e no descomissionamento de antigas plataformas na região.

O evento, que termina nesta quinta, é realizado pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), Sebrae RJ e prefeitura de Macaé. A presidente da Petrobras, Magda Chambriard, também vice-presidente do Conselho Empresarial de Petróleo e Gás da Firjan, participou do evento por videoconferência.

"A região norte fluminense sempre teve uma enorme relevância para o setor de óleo e gás e para a nossa cadeia de fornecedores, sediando parte significativa da nossa produção e logística. Tenho certeza de que este evento representa um marco da retomada de Macaé e de toda a região, tornando-se um centro de discussões sobre o nosso setor e consolidando a cidade como um hub de negócios para o mercado", disse Chambriard.

De acordo com Celem, três blocos adquiridos pela companhia na bacia de Campos começarão a ser explorados no primeiro semestre de 2025: Forno, Água Marinha e Norte de Bravo.

"Vamos perfurar o primeiro poço exploratório em águas marinhas no pré-sal da bacia de Campos, e temos muita esperança, pelo conhecimento que temos da área, de ser o futuro da bacia", disse Celem.

Ele também comentou sobre duas novas unidades, que vão chegar à bacia, com capacidade de produzir 20% mais do que se produzia até então, além de reduzir em 55% as emissões de gases de efeito estufa.

O Plano de Renovação da Bacia de Campos prevê ainda investimentos para quase dobrar a atual produção de petróleo na região até 2028, além de diversas ações de descomissionamento que vão movimentar US$ 26 bilhões. "É um novo mundo, um novo negócio que se abre, e só está começando. A bacia de Campos está voltando a ser olhada pelo planeta, a mostrar sua pujança, e se destacando de novo pelo desenvolvimento tecnológico com a revitalização dos campos maduros", concluiu.

Acompanhe tudo sobre:Petrobras

Mais de Economia

Governo sobe previsão de déficit de 2024 para R$ 28,8 bi, com gastos de INSS e BPC acima do previsto

Lula afirma ter interesse em conversar com China sobre projeto Novas Rotas da Seda

Lula diz que ainda vai decidir nome de sucessor de Campos Neto para o BC

Mais na Exame