Economia

Pedidos de seguro-desemprego seguem caindo desde pico, mas superam 4,7 mi

Após pico em maio, em razão da crise da covid-19, números seguem caindo, mas com velocidade reduzida. Cenário sem auxílios do governo ainda é incerto

 (Amanda Perobelli/Reuters)

(Amanda Perobelli/Reuters)

Ligia Tuon

Ligia Tuon

Publicado em 20 de agosto de 2020 às 17h06.

Última atualização em 21 de agosto de 2020 às 22h21.

Os pedidos de seguro-desemprego feitos de janeiro até o fim da primeira quinzena de agosto chegaram a 4.737.572. O número é 9,1% maior do que o registrado no mesmo período do ano passado, disse o Ministério da Economia nesta quinta-feira, 20.

Na primeira quinzena de agosto, os pedidos registraram uma queda de 23,2% em relação à segunda quinzena de julho, somando 216.350. Em relação com o mesmo período do ano passado, o recuo é de 21,3%.

No ano, até agora, os pedidos de seguro foram mais expressivos em maio, quando alcançaram 960.309 solicitações, mas começaram a cair em junho e seguem nessa tendência, só que com velocidade reduzida.

Os três estados com maior número de pedidos na primeira metade de agosto foram São Paulo (65.302), Minas Gerais (23.985) e Rio de Janeiro (17.357).

A pior fase da crise até agora, como mostram indicadores da atividade, se concentrou em abril e no começo de maio.

Apesar dos milhões de demitidos, o mercado formal tem mostrado certa resiliência na crise muito em razão dos programas emergenciais do governo, que permitiram redução de salários e jornada reduzida.

Segundo medidor do Ministério da Economia, foram preservados mais de 16,3 milhões de empregos até agora. O cenário depois do fim dos programas, porém, ainda é incerto.

A taxa de desemprego divulgada pelo IBGE, que também engloba trabalhadores informais e pessoas fora da força de trabalho, já mostra uma deterioração maior do mercado de uma maneira geral, com a taxa de 13,3% ante 11,2% de janeiro. A expectativa do mercado aponta para 17% em dezembro.

Como pedir?

O trabalhador tem até 120 dias para pedir o seguro-desemprego após o desligamento.

Os requerimentos podem ser feitos de forma 100% digital e não há espera para a concessão do benefício, segundo o Ministério da Economia. Do total de pedidos feitos na primeira quinzena de agosto, 64,3% foram realizados pela internet, informa a pasta.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusCrise econômicaEmprego formalMercado de trabalhoMinistério da EconomiaSeguro-desemprego

Mais de Economia

Governo sobe previsão de déficit de 2024 para R$ 28,8 bi, com gastos de INSS e BPC acima do previsto

Lula afirma ter interesse em conversar com China sobre projeto Novas Rotas da Seda

Lula diz que ainda vai decidir nome de sucessor de Campos Neto para o BC

Banco Central aprimora regras de segurança do Pix; veja o que muda

Mais na Exame