Economia

Pedidos de seguro-desemprego desaceleram em junho, mas são 3,6 mi no ano

Em relação ao mesmo período de 2019, quando não havia a crise do coronavírus, porém, o montante da primeira metade do mês é 35% maior

 (Amanda Perobelli/Reuters Business)

(Amanda Perobelli/Reuters Business)

Ligia Tuon

Ligia Tuon

Publicado em 25 de junho de 2020 às 16h49.

Última atualização em 9 de julho de 2020 às 12h03.

Os pedidos de seguro-desemprego recuaram 22,9% na primeira quinzena de junho na comparação com a segunda metade de maio, de acordo com dados divulgados pelo Ministério da Economia nesta quinta-feira (25).

Em relação ao mesmo período de 2019, quando não havia apandemia do coronavírus, porém, o montante é 35% maior.

De maio para junho, o número de trabalhadores formais que pediram o benefício foi de 455.911 para 351.315. Na segunda metade de junho de 2019, esse número era de 260.228.

Os três estados com maior número de pedidos, segundo a pasta, foram São Paulo (109.278), Minas Gerais (37.130) e Rio de Janeiro (28.507).

No acumulado de 2020, foram contabilizados 3.648.762 pedidos. O número é 14,2% maior ao registrado no mesmo período de 2019 (3.194.122).

Do total de requerimentos no período, 250.880 (71,4%) foram realizados pela internet, ressaltou o ministério.

Na primeira quinzena de maio, o país havia contabilizado 504 mil pedidos. Em abril o mercado formal fechou 860.503 postos de trabalho, o pior resultado para todos os meses da série histórica, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Especialistas acreditam que o desemprego será o maior desafio do Brasil após a pandemia. O indicador já vinha com dificuldade de recuar desde 2016, na última recessão que o país teve, e agora voltou a subir com os impactos econômicos e financeiros da pandemia. Atualmente em 12,6%, a taxa pode chegar a 17% até o fim do ano, estima-se.

Como pedir?

O Ministério informa que como o trabalhador tem até 120 dias para fazer o requerimento.

Os requerimentos podem ser feitos de forma 100% digital e não há espera para concessão de benefício. Mais de três em cada quatro pedidos na primeira quinzena de maio foram virtuais.

 

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusMinistério da EconomiaSeguro-desemprego

Mais de Economia

Governo sobe previsão de déficit de 2024 para R$ 28,8 bi, com gastos de INSS e BPC acima do previsto

Lula afirma ter interesse em conversar com China sobre projeto Novas Rotas da Seda

Lula diz que ainda vai decidir nome de sucessor de Campos Neto para o BC

Banco Central aprimora regras de segurança do Pix; veja o que muda

Mais na Exame