Pedidos de seguro-desemprego desaceleram em junho, mas são 3,6 mi no ano

Em relação ao mesmo período de 2019, quando não havia a crise do coronavírus, porém, o montante da primeira metade do mês é 35% maior

Os pedidos de seguro-desemprego recuaram 22,9% na primeira quinzena de junho na comparação com a segunda metade de maio, de acordo com dados divulgados pelo Ministério da Economia nesta quinta-feira (25).

Em relação ao mesmo período de 2019, quando não havia apandemia do coronavírus, porém, o montante é 35% maior.

De maio para junho, o número de trabalhadores formais que pediram o benefício foi de 455.911 para 351.315. Na segunda metade de junho de 2019, esse número era de 260.228.

Os três estados com maior número de pedidos, segundo a pasta, foram São Paulo (109.278), Minas Gerais (37.130) e Rio de Janeiro (28.507).

No acumulado de 2020, foram contabilizados 3.648.762 pedidos. O número é 14,2% maior ao registrado no mesmo período de 2019 (3.194.122).

Do total de requerimentos no período, 250.880 (71,4%) foram realizados pela internet, ressaltou o ministério.

Na primeira quinzena de maio, o país havia contabilizado 504 mil pedidos. Em abril o mercado formal fechou 860.503 postos de trabalho, o pior resultado para todos os meses da série histórica, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Especialistas acreditam que o desemprego será o maior desafio do Brasil após a pandemia. O indicador já vinha com dificuldade de recuar desde 2016, na última recessão que o país teve, e agora voltou a subir com os impactos econômicos e financeiros da pandemia. Atualmente em 12,6%, a taxa pode chegar a 17% até o fim do ano, estima-se.

Como pedir?

O Ministério informa que como o trabalhador tem até 120 dias para fazer o requerimento.

Os requerimentos podem ser feitos de forma 100% digital e não há espera para concessão de benefício. Mais de três em cada quatro pedidos na primeira quinzena de maio foram virtuais.

 

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Deseja assinar e ter acesso ilimitado?

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.