Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA sobem

Número de norte-americanos que entraram com novos pedidos de auxílio-desempregou cresceu, mas permaneceu perto de uma mínima de 14 anos

Washington - O número de norte-americanos que entraram com novos pedidos de auxílio-desemprego cresceu mais que o esperado na semana passada, mas mesmo assim permaneceu perto de uma mínima de 14 anos servindo de lembrança de que uma pequena parte do mercado de trabalho voltou à vitalidade total.

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego subiram 12 mil, para 290 mil, segundo dados sazonalmente ajustados, na semana encerrada em 8 de novembro, informou o Departamento de Trabalho nesta quinta-feira.

Economistas consultados pela Reuters esperavam que o número de pedidos subisse a 280 mil na semana passada. O número tem ficado abaixo de 300 mil por nove semanas seguidas, e em outubro atingiu seu menor nível desde 2000, com 266 mil.

A média móvel de quatro semanas, considerada uma medida melhor das tendências do emprego porque minimiza a volatilidade semanal, subiu 6 mil, para 285 mil.

Junto a uma pesquisa separada com empregadores que acompanha a criação de empregos, os dados sobre auxílio-desemprego sugerem que as empresas já se afastaram bastante de um ciclo de demissões elevadas que começou na recessão de 2007-09.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.