Para Maia, dividir com estados a votação da Previdência ajuda PEC paralela

Mudanças propostas por relator da reforma da Previdência em PEC paralela exige que assembleias estaduais também concordem com regras para os estados

São Paulo — A inclusão de Estados e municípios na reforma da Previdência com adesão feita por meio de lei ordinária nas assembleias legislativas estaduais tem maior condição de ser aprovada. A avaliação é dos presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Com isso, a extensão das novas regras para servidores estaduais e municipais não seria automática, como o governo pretendia, e dependeria de cada governador e prefeito.

O tema havia sido rejeitado na Câmara. No Senado, o relator da proposta, Tasso Jereissati (PSDB-CE), propôs uma PEC paralela permitindo os Estados, o Distrito Federal e os municípios adotem integralmente as regras mediante aprovação de lei ordinária. Assim, os políticos locais deverão se engajar para fazer valer a reforma também nos seus locais de trabalho.

Caso essa aprovação ocorra em nível estadual, a adoção integral também se aplicaria aos municípios do Estado. O prefeito de uma cidade, no entanto, pode aprovar uma lei na sequência para desfazer as mudanças.

“A forma como o senador Tasso colocou a questão dos Estados facilita muito a nossa vida porque eles terão que por lei ordinária aprovar nas suas Assembleias, o que vai mostrar um engajamento de forma transparente dos governadores e dos seus deputados porque o grande problema foram as disputas locais”, disse Rodrigo Maia após reunião com Alcolumbre e Jereissati.

Na Câmara, a PEC paralela terá de passar pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), por uma comissão especial e pelo plenário em dois turnos, assim como a proposta principal.

O presidente do Senado declarou que a Casa está conectada com “o que é certo”. “O texto do senador Tasso é um texto que ameniza essa discussão em relação aos governadores, mas também passa a responsabilidade para que eles possam fazer, por lei ordinária, não por emenda constitucional, nas suas Assembleias e assim mesmo na Câmara dos Vereadores a reforma dos seus Estados e dos seus municípios”, afirmou Alcoumbre.

Para Alcolumbre, a PEC paralela poderá ser até mais fácil de discutir do que a PEC principal da Previdência.

A PEC principal deve ter um rito mais rápido, sendo votada primeiro na CCJ e depois em dois turnos no plenário do Senado. Como a principal não teve mudanças feitas pelos relator, é provável que não precise voltar para a Câmara dos Deputados e ser revalidada.

O relator recorreu à retirada de trechos inteiros da reforma e ao recurso da PEC paralela para que o texto já aprovado pela Câmara seja mantido no Senado, o que faz a reforma seguir para a promulgação. 

Já a PEC paralela precisa do “sim” dos deputados porque está sendo criada pelo Senado. Nas mudanças que ela propõe, registradas no texto de Tasso Jereissati, estão mudança no BPC, retomar a cobrança previdenciária de entidades filantrópicas e a inclusão de estados e municípios.

Cronograma

Os presidentes do Senado e da Câmara também anunciaram um acordo para acelerar a tramitação da proposta paralela e votar o texto ainda este ano – embora admitam que a tramitação é mais difícil na Câmara.

O acordo foi fechado com o relator da reforma no Senado, Tasso Jereissati (PSDB-CE), e anunciado após reunião na residência oficial da Câmara.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.