Países vão elevar oferta de petróleo, em meio à recuperação na demanda

Países da Opep e os aliados, como a Rússia, aceitaram cortar produção em 9,7 milhões de barris por dia desde maio para segurar queda nos preços

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) anunciou nesta quarta-feira, 15, que aumentará sua produção em agosto, relaxando o nível de cumprimento do acordo multilateral para conter a oferta. Os países envolvidos, porém, garantem que já acontece um aumento na demanda, por isso avaliaram que o impacto nos mercados deverá ser modesto.

A Opep+ tratou do tema ao fim de sua reunião, em comunicado conjunto e também durante entrevista coletiva virtual das autoridades envolvidas. Até agora, o acordo era por um corte de 9,7 milhões de barris por dia, desde maio. A partir de agosto, o corte deve diminuir para “8,1 ou 8,2 milhões” de barris por dia, segundo a entidade. O grupo comentou, contudo, que esse seria um piso e que o corte, na prática, pode ficar um pouco acima disso, chegando talvez a 8,4 milhões de barris.

O grupo disse que o nível de cumprimento do acordo em junho ficou em 107%. Esse nível, contudo, foi atingido graças a cortes voluntários de alguns países, como Arábia Saudita e Omã, e sem esse extra o cumprimento estaria em 95%. A Opep+ disse que os países que não cumpriram o combinado e excederam a cota entregarão planos sobre como pretendem compensar isso nos próximos meses.

Segundo a Opep+, pode ainda haver alguns lockdowns em alguns países, mas isso seria algo isolado e a demanda deverá continuar a se recuperar. O grupo enfatizou ainda que o anúncio desta quarta está em linha com o que já havia sido acordado no plano inicial.

Os países da Opep e os aliados, como a Rússia, afirmam esperar aumento na demanda por petróleo também em suas economias. O ministro da Energia russo, Alexander Novak, disse na entrevista coletiva que boa parte do aumento na produção em seu país ficará no mercado local, por exemplo.

A Opep+ ainda afirmou que, com as mudanças nos padrões de consumo por causa da pandemia, deve haver maior demanda por gasolina.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.