“Orçamento é uma soma de equívocos”, diz Zeina Latif ao EXAME Política

Para a economista, governo errou ao ignorar avisos e não se preparar para a pandemia em 2021; ouça mais no último episódio do EXAME Política, o podcast de política e economia da EXAME

Após semanas de tratativas acerca de um orçamento que, na prática, esqueceu da crise sanitária que o Brasil vive, nesta terça-feira (13) o executivo começou a estudar a proposta de uma PEC para destravar as despesas de combate à pandemia, supostamente resolvendo o impasse.

Apesar de não considerar os malabarismos matemáticos do governo como pedaladas fiscais, como defendem alguns, a economista Zeina Latif acredita que a melhor solução seria voltar à estaca zero e fazer um novo orçamento, mais realista e que atenda às necessidades da população.

"A criação desse orçamento assumiu que, para garantir algumas emendas, algumas despesas seriam reduzidas - o que ainda não aconteceu. E a boa prática da gestão do orçamento exige garantias que as estimativas vão de fato se concretizar", explicou a Latif no último episódio do podcast EXAME Política. "Numa soma geral, o orçamento, todo esse imbróglio, é uma soma de equívocos do governo, tanto do ponto de vista técnico quanto político."

Para a economista, a alta demanda por gastos públicos e a disparada de indicadores financeiros como a inflação e o câmbio deixam claro que há uma questão complicada por trás do orçamento. "Essa gestão fiscal temerária do governo já gera impactos macroeconômicos. Precisamos respeitar minimamente o espírito da lei de responsabilidade fiscal e o teto de gastos, se não perde-se o senso de disciplina fiscal", explicou Latif no podcast.

Para o parlamentar é infinitamente melhor ter dinheiro no bolso para fazer as suas obras do que fazer parte do governo cuja aprovação está em queda. Isso aumenta o desejo por emendas", continuou Latif. "A impressão que eu tenho é que, já que se está violando regras básicas das finanças públicas, o certo era enviar outro orçamento. Começa tudo de novo."

O erro crasso do governo, avalia Latif, foi ignorar os alertas de especialistas em relação à duração da pandemia - que, ao contrário do que previa a PEC emergencial aprovada no ano passado, claramente não se encerraria em dezembro de 2020. Ao apostar em um cenário de otimismo irreal, a equipe econômica deixou de se preparar para as dificuldades de 2021.

"Com uma crise dessa natureza, como não nos preparamos para 2021?", indagou a economista no EXAME Política, destacando que o Orçamento aprovado ignora as necessidades da população neste momento. "É um Orçamento desconectado das necessidades do país. Neste momento, as pessoas precisam ter o mínimo de socorro, assim como as empresas. No fundo, ele é um reflexo triste da má gestão da politica econômica e da má gestão da articulação politica."


podcast EXAME Política vai ao ar todas as sextas-feiras. Clique aqui para ver o canal no Spotify, ou siga em sua plataforma de áudio preferida, e não deixe de acompanhar os próximos programas.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.