OPINIÃO: O argumento para um imposto punitivo sobre o petróleo russo

Imposto global punitivo sobre o petróleo russo poderia extrair e transferir para o mundo cerca de US$ 300 bilhões por ano, argumenta Hausmann, professor da Universidade Harvard
Protesto do Greenpeace na Alemanha contra importações de petróleo russo: imposto seria mais confiável e sustentável do que um embargo (Getty Images/Patrick Pleul/picture alliance)
Protesto do Greenpeace na Alemanha contra importações de petróleo russo: imposto seria mais confiável e sustentável do que um embargo (Getty Images/Patrick Pleul/picture alliance)
Por Por Ricardo HausmannPublicado em 27/03/2022 12:00 | Última atualização em 25/03/2022 17:17Tempo de Leitura: 6 min de leitura

Por Ricardo Hausmann, de Cambridge*

Enquanto escrevo isso, o exército da Rússia entrou na capital da Ucrânia, Kiev. Está claro agora que a ameaça de sanções não dissuadiu o presidente russo, Vladimir Putin, de lançar sua invasão.

Mas cumprir a ameaça ainda pode desempenhar dois outros papéis: as sanções podem limitar a capacidade da Rússia de projetar poder enfraquecendo sua economia, e podem criar um precedente capaz de influenciar o comportamento futuro de Putin em relação a outros países como Geórgia, Moldávia e os Estados bálticos.

Um motivo pelo qual a ameaça de sanções pode não ter evitado a guerra é que a Rússia não as considerava viáveis. Se impor uma sanção custa caro, a vontade política de fazê-lo pode ser fraca ou evaporar com o tempo.

Inscreva-se e participe do SuperAgro 2022, um evento EXAME que discute a relevância do agronegócio com players do mercado. Não fique de fora!

Por exemplo, os consumidores ocidentais já estão irritados com os altos custos de energia. Um embargo ao petróleo russo diminuirá o fornecimento global de energia e aumentará os preços ainda mais, potencialmente desencadeando uma reação contra a medida.

Pode ser por isso que os países ocidentais ainda não a impuseram, optando em vez disso por sanções financeiras que, até agora, têm causado frustrações. Afinal, sem dúvida, a sanção mais significativa até o momento – a suspensão do gasoduto Nord Stream 2, que entregaria gás natural russo diretamente à Alemanha – pressionará o já apertado mercado de gás natural da Europa.

Sanções são mais eficazes e críveis quando impõem grandes custos ao alvo pretendido, mas envolvem pequenos custos ou até mesmo benefícios para quem as impõe. Encontrar tais sanções é mais fácil de ser dito do que feito, como mostra o projeto Nord Stream 2. Portanto, que instrumentos o Ocidente tem em seu arsenal?

Um que surpreendentemente vem recebendo pouca atenção é o de tarifas punitivas sobre o petróleo e o gás russos. À primeira vista, impor um imposto sobre um bem deveria aumentar seu preço, tornando a energia ainda mais cara para os consumidores ocidentais. Certo? Errado!

A questão é uma coisa chamada análise de incidência tributária, ensinada nos cursos básicos de microeconomia. Um imposto sobre um bem, como o petróleo russo, afetará tanto a oferta quanto a demanda, mudando assim o preço do bem.

O quanto o preço muda e quem arca com o custo do imposto depende de quão sensíveis sejam tanto a oferta quanto a demanda ao imposto, ou o que os economistas chamam de elasticidade.

Quanto mais elástica a demanda, mais o produtor arca com o custo do imposto, porque os consumidores têm mais opções. Quanto mais inelástica a oferta, mais o produtor – novamente – arca com o imposto, porque tem menos opções.

Por sorte, esta é precisamente a situação que o Ocidente enfrenta agora.

A demanda por petróleo russo é altamente elástica, porque os consumidores de fato não se importam se o petróleo que usam vem da Rússia, do Golfo ou de qualquer outro lugar. Eles não estão dispostos a pagar mais pelo petróleo russo se outro petróleo com propriedades semelhantes estiver disponível. Assim sendo, o preço do petróleo russo após os impostos é definido pelo preço de mercado de todos os outros fornecedores de petróleo.

Ao mesmo tempo, a oferta de petróleo russo não é muito elástica, o que significa que grandes mudanças no preço para o produtor não causam mudanças na oferta.

Aqui, os números são impressionantes. Segundo os relatórios financeiros do grupo russo de energia Rosneft para 2021, o custo operacional upstream da empresa é de US$ 2,70 por barril. Do mesmo modo, a Rystad Energy, empresa de inteligência de negócios, estima um custo total variável de produção de petróleo russo (excluindo taxas e custos capitais) de US$ 5,67 por barril.

Logo da Rosneft, gigante russa do petróleo

Logo da Rosneft, gigante russa do petróleo: ainda seria vantajoso para empresa seguir bombeando petróleo caso barril estivesse a US$ 6 (Sergei Karpukhin/Files/Reuters)

Dito de outra maneira, mesmo que o preço do petróleo caísse para US$ 6 o barril (está acima de US$ 100 agora), ainda seria do interesse da Rosneft continuar bombeando: a oferta é verdadeiramente não elástica no curto prazo.

É óbvio que, nessas condições, não seria lucrativo investir em manter ou expandir a capacidade de produção, e a produção de petróleo diminuiria de modo gradual como sempre costuma acontecer, graças à exaustão e perda de pressão. Mas isso levará tempo e, até lá, outros podem se mover para assumir a participação de mercado da Rússia.

Em outras palavras, dada a elasticidade de demanda muito alta e a elasticidade da oferta de curto prazo muito baixa, um imposto sobre o petróleo russo seria pago essencialmente pela Rússia.

Em vez de ser caro para o mundo, impor tal taxa seria realmente lucrativo. Um imposto global punitivo sobre o petróleo russo – a uma taxa de, digamos, 90%, ou US$ 90 por barril – poderia extrair e transferir para o mundo cerca de US$ 300 bilhões por ano da arca de guerra de Putin, ou cerca de 20% do PIB da Rússia em 2021. E seria infinitamente mais conveniente que um embargo ao petróleo russo, que enriqueceria outros produtores e empobreceria os consumidores.

Essa lógica também se aplica ao Nord Stream 2. Um imposto igual a 90% do preço do gás natural da União Europeia, hoje por volta de € 90 (US$ 101) o mega watt-hora, manteria o gás russo no mercado, mas expropriaria o aluguel.

Mas quão viável seria um imposto mundial de 90% sobre o petróleo russo?

Em 2019, 55% das exportações de combustíveis minerais da Rússia (incluindo petróleo, gás natural e carvão) foram para a UE, enquanto outros 13% foram para o Japão, Coreia do Sul, Cingapura e Turquia. A China comprou só 18%.

Se todos esses países, exceto a China, concordassem em taxar o petróleo russo em 90%, a Rússia tentaria vender todo o seu petróleo para a China. Mas isso colocaria a China em uma forte posição de negociação. Nesse cenário, seria do interesse da China impor a taxa, pois tal instrumento extrairia o aluguel que, de outra forma, teria que pagar à Rússia.

Em suma, um imposto punitivo sobre o petróleo russo enfraqueceria de modo significativo a Rússia e beneficiaria os países consumidores, o que faz deste imposto algo mais confiável e sustentável do que um embargo. A ideia merece consideravelmente mais atenção do que vem recebendo.

*Ricardo Hausmann, ex-ministro do planejamento da Venezuela, ex-economista-chefe do Banco Interamericano de Desenvolvimento, é professor da Escola de Governo John F. Kennedy da Universidade de Harvard e diretor do Laboratório de Crescimento Harvard.

Artigo publicado originalmente em 26 de fevereiro. Direitos Autorais: Project Syndicate, 2022 (www.project-syndicate.org). Tradução de Anna Maria Dalle Luche.