Opep+ confirma corte de produção de petróleo em 2 milhões de barris por dia

Esse é o maior corte desde abril de 2020, quando a pandemia começou
Opep: grupo ainda informou que o acordo de cooperação atual foi estendido até 31 de dezembro de 2023 (Nick Oxford/File Photo/Reuters)
Opep: grupo ainda informou que o acordo de cooperação atual foi estendido até 31 de dezembro de 2023 (Nick Oxford/File Photo/Reuters)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 05/10/2022 às 14:43.

Última atualização em 05/10/2022 às 14:51.

Os integrantes da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) confirmaram, nesta quarta-feira, 5, o corte de produção de petróleo em 2 milhões de barris por dia (bpd) a partir de novembro. Esse é o maior corte desde abril de 2020, quando a pandemia começou. O grupo ainda informa que o acordo de cooperação atual foi estendido até 31 de dezembro de 2023.

Em comunicado após reunião ministerial, a Opep+ justificou a decisão de cortar a oferta "à luz da incerteza que envolve as perspectivas econômicas globais e do mercado de petróleo, e da necessidade de aprimorar a orientação de longo prazo para o mercado de petróleo".

Esteja sempre informado sobre as notícias que movem o mercado. Assine a EXAME.

O cartel ainda decidiu realizar as reuniões ministeriais a cada seis meses, sendo que a próxima será em 4 de dezembro de 2022. O comitê conjunto de monitoramento ministerial (JMCC, na sigla em inglês), por sua vez, deve se encontrar a cada dois meses, mas pode realizar encontros adicionais, aponta o texto.

A Opep+ ainda reforça a importância de que os membros do acordo cumpram totalmente o que foi decidido. Ela estendeu o período de compensação para falhas nesse cumprimento até o fim de março de 2023.

A decisão pode minar um plano do Grupo dos Sete países ricos (G7) para limitar o preço do petróleo russo no mercado global, uma parte fundamental da batalha econômica do Ocidente com Moscou.