OCDE melhora projeção para PIB do Brasil e vê recessão mundial menor

A OCDE passou a projetar uma queda de 6,5% do PIB do Brasil em 2020

A recessão mundial será menos profunda que o previsto inicialmente em 2020, graças à reação rápida e consequente dos Estados – afirma a OCDE em suas perspectivas econômicas publicadas nesta quarta-feira (16), mas a recuperação em 2021 será menos intensa do que a estimativa apontava em junho.

Depois de acelerar na primavera (hemisfério norte, outono no Brasil), quando as medidas de confinamento destinadas a combater a pandemia do coronavírus foram flexibilizadas, “o ritmo da recuperação mundial perdeu um pouco do impulso durante os meses de verão, em particular nas economias mais avançadas”, constata a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômicos (OCDE).

A organização com sede em Paris aposta agora em um crescimento de 5% em 2021, após um retrocesso de 4,5% em 2020. Em junho, a OCDE projetava uma queda de 6% para este ano e uma recuperação de 5,2% para 2021.

A OCDE destaca, no entanto, que “as perspectivas são muito incertas, porque dependem das hipóteses relativas à propagação do vírus e à evolução das políticas macroeconômicas”.

Ao mesmo tempo, a análise da organização é clara: sem a reação rápida e em larga escala dos governos, e sem a intervenção consequente dos bancos centrais, “a contração da atividade teria sido muito mais importante”.

Por este motivo, a OCDE faz um apelo para que os Estados continuem com o apoio às atividades em 2021, levando em consideração que a “incerteza continua elevada e a confiança frágil”.

O mundo teme uma segunda onda da pandemia, que já provocou quase 930.000 mortes, e intensifica as medidas para tentar conter a propagação. Israel, por exemplo, decidiu retomar o confinamento geral da população. A Inglaterra aplica uma limitação rígida das reuniões.

A OCDE adverte que “um ressurgimento mais forte do vírus, ou medidas de confinamento mais estritas, poderia reduzir em dois ou três pontos percentuais o crescimento mundial em 2021”.

PIB dos países

As principais economias do devem terminar 2020 em recessão, com exceção da China, que registrará crescimento de 1,8%. 

Para o Brasil, a OCDE passou a projetar uma queda de 6,5% em 2020, ante estimativa anterior de tombo de 7,4%.

Todas voltarão a crescer em 2021, mas com uma recuperação menos intensa que a prevista nas estimativas de junho da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômicos.

A seguir as previsões da OCDE:

Previsão para 2020 Previsão para 2021
Mundo – 4,5% 5%
Zona euro – 7,9% 5,1%
Alemanha – 5,4% 4,6%
França – 9,5% 5,8%
Itália – 10,5% 5,4%
Reino Unido – 10,1% 7,6%
Estados Unidos – 3,8% 4%
China + 1,8% 8%
Japão – 5,8% 1,5%
Índia – 10,2% 10,7%
Brasil – 6,5% 3,6%
Rússia – 7,3% 5%

 

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Deseja assinar e ter acesso ilimitado?

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.