Novos empréstimos na China caem a 679 bilhões de yuans em julho

Cifra de julho ficou bem abaixo da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal
A base monetária da China (M2), por sua vez, teve acréscimo anual de 12% em julho (SOPA Images / Colaborador/Getty Images)
A base monetária da China (M2), por sua vez, teve acréscimo anual de 12% em julho (SOPA Images / Colaborador/Getty Images)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 12/08/2022 às 09:13.

Os bancos da China reduziram drasticamente a concessão de empréstimos no mês passado, após o PBoC, como é conhecido o banco central do país, prometer não "inundar" a economia com liquidez excessiva. Em julho, os bancos chineses liberaram 679 bilhões de yuans (US$ 100,7 bilhões) em novos empréstimos, montante bem inferior aos 2,81 trilhões de yuans repassados em junho, segundo dados publicados nesta sexta-feira pelo PBoC.

A cifra de julho ficou bem abaixo da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam 1,1 trilhão de yuans em novos empréstimos.

O financiamento social total, uma medida mais ampla do crédito na economia chinesa, também caiu fortemente entre junho e julho, de 5,17 trilhões de yuans para 760 bilhões de yuans.

A base monetária da China (M2), por sua vez, teve acréscimo anual de 12% em julho, ganhando força ante a alta de 11,4% de junho. A projeção do mercado para julho era de incremento de 11 5%.

Veja também: 

BNDES poderá pagar quase R$ 15 bilhões em dividendos à União até o fim do ano

Passa a valer hoje redução de R$ 0,22 no diesel da Petrobras