A página inicial está de cara nova Experimentar close button

“Novo auxílio será uma dupla decepção”, diz Zeina Latif ao EXAME Política

"Com uma crise dessa natureza, como não nos preparamos para 2021?", indagou a economista no último episódio do podcast de política e economia da EXAME; ouça nas plataformas digitais

Com valores menores e alcance mais limitado, a nova rodada do auxílio emergencial que começa a ser paga neste mês certamente não terá os mesmo efeitos sobre a economia que o programa teve no ano passado. Ao contrário, ele agora tem o potencial de provocar uma dupla decepção ao país, que sofre com inflação e, ao mesmo tempo, com uma baixa atividade econômica. Na avaliação da consultora econômica Zeina Latif, o auxílio se desviou do seu caráter emergencial ao não ter sido bem calibrado em sua concepção.

"No seu auge, a auxílio pagou R$600 por mês a cerca de 68 milhões de brasileiros. Alguns setores registraram alta nas vendas e a inadimplência até caiu, o que é surpreendente numa crise como essa. Tudo isso mostra um problema de calibragem no programa, que era para ser emergencial, mas se tornou um programa de estímulo ao consumo", disse a economista no último episódio do podcast EXAME Política. "Parte da inflação que vivemos agora é por causa disso."

Latif explica que, ainda que o país tivesse condições financeiras de manter o auxílio em 2021 nos mesmos moldes do passado - como defendem algumas organizações sociais e até o ex-presidente Lula -, isso não seria a melhor opção no momento, o que acaba levando à tal dupla decepção.

"Consumir é bom, mas as políticas precisam ser calibradas, porque uma hora a fatura chega. Agora temos que fazer esse ajuste [de diminuir o valor e o alcance], tão doloroso, mas que precisa ser feito para que os efeitos colaterais não sejam tão ruins", explicou Latif no podcast. "Isso gera uma decepção dupla da sociedade: a primeira, daqueles que se beneficiaram lá atrás e agora não terão acesso ou terão um valor mais modesto; e a outra em relação às contas públicas e o ambiente econômico, que se deteriora."

O erro crasso do governo, avalia Latif, foi ignorar os alertas de especialistas em relação à duração da pandemia - que, ao contrário do que previa a PEC emergencial aprovada no ano passado, claramente não se encerraria em dezembro de 2020. Ao apostar em um cenário de otimismo irreal, a equipe econômica deixou de se preparar para as dificuldades de 2021.

"Com uma crise dessa natureza, como não nos preparamos para 2021?", indagou a economista no EXAME Política, destacando que o Orçamento aprovado ignora as necessidades da população neste momento. "É um Orçamento desconectado das necessidades do país. Neste momento, as pessoas precisam ter o mínimo de socorro, assim como as empresas. No fundo, ele é um reflexo triste da má gestão da politica econômica e da má gestão da articulação politica."


O podcast EXAME Política vai ao ar todas as sextas-feiras. Clique aqui para ver o canal no Spotify, ou siga em sua plataforma de áudio preferida, e não deixe de acompanhar os próximos programas.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também