Não há vontade política para privatizar, diz Mattar após deixar governo

Ex-secretário de Guedes diz não estar frustrado e critica Congresso por demora em aprovar venda da Eletrobras

Após deixar o governo, o agora ex-secretário de Desestatização, Desinvestimento e Mercados Salim Mattar disse na noite desta terça-feira que deixou o cargo porque há falta de "vontade política" em avançar nas privatizações, principal agenda de sua pasta.

— Existe uma coisa que se chama vontade política. Estou dizendo que, na política, não há uma vontade política de fazer desestatizações — disse Mattar, em entrevista à CNN Brasil.

Ele criticou especificamente a demora do Congresso em pautar a privatização da Eletrobras, nos planos do governo desde a gestão do ex-presidente Michel Temer.

— Por exemplo, a Eletrobras, há quanto tempo nós estamos falando de Eletrobras? Desde o ano passado. Tem um ano. Até agora, o Congresso, nesse caso específico, não teve a priorização de colocar a Eletrobras como um caso a ser resolvido — criticou.

Egresso do setor privado, Mattar é dono da empresa de aluguel de veículos Localiza. Ele repetiu uma queixa frequente sobre o que considera um excesso de burocracia nos processos no serviço público e culpou o "establishment" pelo atraso na agenda. Ele negou, no entanto, estar frustrado.

— Não estou frustrado. O mundo de governo é muito diferente do mundo da iniciativa privada. As lógicas são diferentes, o tempo é diferente. Então, nós, da iniciativa privada, normalmente temos dificuldade de nos adaptar ao tempo, à lentidão, da burocracia estatal. Não estou frustrado, estou saindo porque acho que chegou o meu timing — afirmou.

Mattar deixou o governo nesta terça-feira, mesmo dia em que o secretário de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel, também anunciou sua saída.

Desde o início do governo, ao menos oito técnicos importantes do time do ministro da Economia, Paulo Guedes, abandonaram a equipe, em um movimento que o próprio Guedes chama de debandada.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.