Não há perspectiva de taxas mais altas em meio a estagnação

Nowotny, do BCE, afirmou que as taxas de juros nas mínimas históricas atuais "não podem ser vistas como um equilíbrio de longo prazo"

Paris - Não há perspectiva de taxas de juros mais altas no horizonte relevante se a zona do euro estiver entrando em um período de estagnação de longo prazo, disse o membro do Conselho Diretor do Banco Central Europeu (BCE) Ewald Nowotny nesta sexta-feira.

Falando em uma conferência em Paris, Nowotny afirmou que as taxas de juros nas mínimas históricas atuais "não podem ser vistas como um equilíbrio de longo prazo".

Mas acrescentou: "E se nós... estamos nos aproximando de um período de estagnação de longo prazo? Neste caso, é claro, não pode haver nenhuma ideia de ter taxas de juros mais altas no horizonte relevante".

Nowotny, que é presidente do banco central austríaco, também disse que não está tão otimista em relação a chegar a um acordo sobre o segundo pilar da união bancária da União Europeia, um mecanismo de resolução único, até o final do ano.

Ele acrescentou que também há outros problemas que precisam ser resolvidos para a união bancária, incluindo não ter um tipo de teste de estresse realizado pelo BCE e outro diferente realizado pela Autoridade Bancária Europeia.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também