A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Miriam defende o combate ao "mau custeio"

Segundo ministra, que não falou em números, equipe do governo está preparando informações sobre gastos de custeio e, por isso, seria preciso discriminar gastos

São Paulo - A ministra do Planejamento, Miriam Belchior, disse que "é preciso separar o joio o trigo" ao ser indagada sobre o aumento real de 6,6% nas despesas do governo no primeiro semestre de 2013, em relação ao mesmo período de 2012, como revelou hoje o jornal O Estado de S.Paulo.

Segundo a ministra, que não falou em números, a equipe do governo está preparando informações sobre os gastos de custeio e, por isso, seria preciso discriminar os gastos.

"As despesas de custeio administrativo, como passagens aéreas, não cresceram, o que mostra a preocupação em conter gastos. Temos ainda gastos de custeio que são 'finalísticos', como em educação e saúde, além do Bolsa Família, que, do ponto de orçamentário, é custeio, mas para mim é investimento", disse a ministra.

"É preciso combater o mau custeio e valorizar o que leva a prestação de serviços à população", completou Miriam, após participar de uma palestra no Sindicato da Habitação, em São Paulo (SP).

Miriam afirmou ainda que a folha de pagamento e a Previdência Social, "que são os grandes gastos", estão sob controle do governo. Já sobre o corte de até R$ 15 bilhões no orçamento federal de 2013, a ministra reafirmou que seguem as discussões sobre o tema e que "não temos nenhuma perspectiva desse assunto".

Durante o evento, a ministra foi indagada por representantes do setor imobiliário sobre como o governo reagiu às manifestações iniciadas em meados de junho no País. Miriam admitiu que "todos foram surpreendidos pelo movimento que trouxe às ruas uma série de demandas da sociedade e que a mensagem é pela melhoria no serviço público". Ela avaliou que o importante não é estudar as origens, mas tomar as medidas para atender as demandas.

"Melhorias ocorrerão, mas sem ilusão que as coisas se resolvem num piscar de olhos", ponderou. Já sobre o programa do governo federal para a mobilidade urbana, surgido após as manifestações e discutido semana passada na Marcha Nacional dos Prefeitos, em Brasília, a ministra afirmou que o governo recebeu as principais demandas e solicitou novas informações, antes de anunciar quais empreendimentos serão selecionados. "Como são complexos, uma parte tem condição de começar em um período mais curto. E outros, de projetos estruturantes, como em trilho, mais tarde", concluiu.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também