Ministro da França critica atraso em fundo de recuperação da UE

Embora o Fundo tenha aumentado a previsão de crescimento para a zona do euro neste ano para 4,4%, do outro lado do Atlântico estima-se que expansão dos EUA será de 6,4%

O lançamento do fundo de recuperação da União Europeia perdeu tanta urgência que o ministro das Finanças da França, Bruno Le Maire, alertou sobre o risco que o atraso representa para a retomada da região sob o impacto da pandemia.

O plano de 750 bilhões de euros (890 bilhões de dólares) “não está no caminho certo”, disse o ministro em entrevista à Bloomberg Television na quarta-feira, quando o G-20 se reúne. Le Marie disse que está “profundamente preocupado” com a lenta implementação da iniciativa acordada pela primeira vez em julho do ano passado.

Se queremos uma economia forte, precisamos investir, e investir agora. O ponto-chave é ter uma recuperação rápida da UE e ter o plano implementado o mais rápido possível.

Bruno Le Maire, ministro das Finanças da França

Os comentários refletem maior preocupação em algumas capitais europeias sobre a implementação da medida que pretende ser uma ferramenta fiscal fundamental para a recuperação econômica da região por meio da emissão conjunta de dívida. A ratificação dessa captação de fundos, no entanto, tem sido irregular e, na Alemanha, está até bloqueada à espera de uma decisão judicial.

“Estamos em abril de 2021 e, mais uma vez, não vi nenhum centavo, e as decisões sobre os recursos próprios não foram ratificadas pelos 27 Estados-membros”, afirmou Le Maire.

Os planos de gastos com fundos de recuperação também enfrentam a burocracia complicada da UE, cuja lenta distribuição de vacinas já levou à extensão das restrições relacionadas ao coronavírus.

A crescente preocupação de que a economia da região está ficando para trás em relação a outras nações industrializadas ficou ainda mais em evidência com as previsões do Fundo Monetário Internacional na terça-feira, que destacaram perspectivas cada vez mais divergentes já que a atividade econômica americana parece estar se recuperando da crise de coronavírus mais rápido do que a Europa.

Embora o Fundo tenha aumentado ligeiramente a previsão de crescimento para a zona do euro neste ano para 4,4%, essa recuperação é rapidamente superada do outro lado do Atlântico. Autoridades do FMI agora calculam que a expansão dos Estados Unidos será de 6,4%.

Autoridades do Banco Central Europeu também compartilharam a preocupação com a possibilidade de atraso da ferramenta de estímulo da UE, que não deve distribuir recursos até pelo menos junho. Embora não seja diretamente comparável, o pacote fiscal dos Estados Unidos de 1,9 trilhão de dólares já está sendo desembolsado.

Le Maire sugeriu que os governos da UE têm demonstrado menos determinação em relação ao fundo de recuperação do que no início, quando foi acordado no ano passado.

“Só quero exortar todos os Estados-membros europeus que retomem o espírito de 2020 e reacendam o impulso que fomos capazes de dar à recuperação europeia em 2020”, afirmou. “Retomemos esse espírito de solidariedade, de determinação, de vontade de ter uma recuperação econômica rápida em toda a Europa.”

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também