Ministra da Economia da Argentina anuncia medidas por "equilíbrio fiscal"

Batakis ainda afirmou que o acordo de renegociação da dívida com o Fundo Monetário Internacional (FMI) será mantido ao contrário do que a própria ministra havia antecipado
Argentina: Batakis disse crer na solvência do Estado como "promotor da atividade econômica e da geração de empregos" (Tomas Cuesta/Getty Images)
Argentina: Batakis disse crer na solvência do Estado como "promotor da atividade econômica e da geração de empregos" (Tomas Cuesta/Getty Images)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 11/07/2022 às 12:13.

Última atualização em 11/07/2022 às 12:23.

Empossada na semana passada, a ministra da Economia da Argentina, Silvina Batakis, anunciou um pacote de medidas econômicas em coletiva de imprensa nesta segunda-feira, 11. Por meio das propostas, o governo tentará retomar o "equilíbrio fiscal" do país, disse. Batakis ainda afirmou que o acordo de renegociação da dívida com o Fundo Monetário Internacional (FMI) será mantido ao contrário do que a própria ministra havia antecipado.

"Se mantém as metas acordadas com o FMI. Entendemos que é um acordo que firmamos como Estado e que temos de cumprir", disse Batakis, antes de ressaltar que a "chegada" do fundo ocorreu em um momento de "máxima especulação" na Argentina.

Quanto às medidas econômicas, a ministra afirmou que o orçamento mensal do governo aos órgãos do setor público não ultrapassará a arrecadação argentina, e anunciou a criação de um "comitê assessor da dívida" para "avaliar e propor em matéria da dívida soberana" na moeda do país.

LEIA TAMBÉM: Argentina vive nova crise, e lojas não sabem nem quanto cobrar

Batakis disse crer na solvência do Estado como "promotor da atividade econômica e da geração de empregos". Ela ainda informou que haverá uma mudança na lei de administração financeira da Argentina, que colocará todo o setor público sob os princípios de "manejo orçamentário eficiente".

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Batakis também disse que conversou com lideranças empresariais em sua primeira semana como ministra e avaliou que o governo não pode permitir os "abusos de preços" vistos recentemente. Na sua visão, "não há explicação técnica" para o nível do aumento de preços aos consumidores argentinos e o movimento consiste em "pura especulação". Sobre a depreciação recente do peso, a ministra disse que o câmbio em relação ao dólar está equilibrado e tem de ser competitivo para estimular o comércio exterior.

VEJA TAMBÉM: Inflação nas alturas, FMI e nova ministra: como a crise da Argentina ficou pior