• AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
  • AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
Abra sua conta no BTG

Mesmo com crise, Brasil ganha 10 mil novos milionários em um ano

O Brasil tem ao mesmo tempo 245 mil pessoas no 1% mais rico da humanidade e 24 milhões com renda abaixo dos US$ 249 anuais
A crise não impediu muitos brasileiros de enriquecer nos últimos anos
A crise não impediu muitos brasileiros de enriquecer nos últimos anos
Por João Pedro CaleiroPublicado em 22/11/2016 15:39 | Última atualização em 22/11/2016 17:24Tempo de Leitura: 2 min de leitura

São Paulo - O número de milionários no Brasil passou de 162 mil para 172 mil entre 2015 e 2016, de acordo com relatório lançado hoje pelo Credit Suisse.

São considerados milionários aqueles indivíduos com ativos acima de US$ 1 milhão, sem contar a residência principal.

A alta ocorreu em meio ao que muitos classificam como a maior crise econômica da história do país.

O Produto Interno Bruto (PIB) do país registrou queda de 3,8% em 2015 e a projeção para 2016 é de -3,4%.

O banco nota que a desigualdade no país ainda é gritante e que diferenças educacionais e o tamanho da economia informal estão entre os motivos.

O Brasil tem ao mesmo tempo 245 mil pessoas no 1% mais rico da humanidade e 24 milhões de pessoas com renda abaixo dos US$ 249 anuais.

Outros países ganharam ainda mais milionários no período: o Japão foi de 2,088 milhões para 2,826 milhões (ganho de 438 mil) e os Estados Unidos foram de 13,271 milhões para 13,554 milhões (ganho de 283 mil).

Já o Reino Unido foi o maior perdedor: foi de 2,631 milhões para 2,225 milhões de milionários em um ano (perda de 406 mil).

Isso aconteceu após o país ter US$ 1,5 trilhão varrido da sua riqueza total devido a uma queda do mercado de ações e da cotação da libra após o Brexit (saída da União Europeia).

No curto prazo, os ganhos e perdas de riqueza tem mais a ver com movimentos de câmbio e ativos do que com criação de valor via crescimento.

No nosso caso, a análise do período mais longo é inequívoca: a riqueza do brasileiro medida em dólar caiu em um terço desde 2011.

Entre 2000 e 2011, a riqueza média por adulto no país triplicou de US$ 8 mil para US$ 27 mil, mas já despencou para a faixa dos US$ 18 mil.

O valor em real continuou subindo, mas esse ganho foi largamente corroído pela inflação.