• AALR3 R$ 20,16 -0.69
  • AAPL34 R$ 66,70 -0.91
  • ABCB4 R$ 16,94 -2.31
  • ABEV3 R$ 13,92 -1.56
  • AERI3 R$ 3,70 0.00
  • AESB3 R$ 10,68 -0.19
  • AGRO3 R$ 30,77 -0.23
  • ALPA4 R$ 20,19 -2.65
  • ALSO3 R$ 19,25 0.79
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,42 -0.82
  • AMBP3 R$ 30,33 -0.69
  • AMER3 R$ 23,15 0.26
  • AMZO34 R$ 66,72 -0.30
  • ANIM3 R$ 5,42 -1.63
  • ARZZ3 R$ 80,94 -0.32
  • ASAI3 R$ 15,81 2.33
  • AZUL4 R$ 21,27 0.14
  • B3SA3 R$ 12,03 1.86
  • BBAS3 R$ 36,91 3.39
  • AALR3 R$ 20,16 -0.69
  • AAPL34 R$ 66,70 -0.91
  • ABCB4 R$ 16,94 -2.31
  • ABEV3 R$ 13,92 -1.56
  • AERI3 R$ 3,70 0.00
  • AESB3 R$ 10,68 -0.19
  • AGRO3 R$ 30,77 -0.23
  • ALPA4 R$ 20,19 -2.65
  • ALSO3 R$ 19,25 0.79
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,42 -0.82
  • AMBP3 R$ 30,33 -0.69
  • AMER3 R$ 23,15 0.26
  • AMZO34 R$ 66,72 -0.30
  • ANIM3 R$ 5,42 -1.63
  • ARZZ3 R$ 80,94 -0.32
  • ASAI3 R$ 15,81 2.33
  • AZUL4 R$ 21,27 0.14
  • B3SA3 R$ 12,03 1.86
  • BBAS3 R$ 36,91 3.39
Abra sua conta no BTG

Medo do desemprego recua em dezembro, mas segue alto, diz CNI

Apesar da melhora no último trimestre do ano, o medo do desemprego aumentou 0,9 ponto em 2017 e continua 16,9 pontos acima da média histórica do indicador
Carteira de trabalho: medo do desemprego recuou 2,0 pontos em dezembro em relação a setembro (Reprodução/Valdecir Galor)
Carteira de trabalho: medo do desemprego recuou 2,0 pontos em dezembro em relação a setembro (Reprodução/Valdecir Galor)
Por Eduardo Rodrigues, do Estadão ConteúdoPublicado em 05/01/2018 14:17 | Última atualização em 05/01/2018 14:17Tempo de Leitura: 1 min de leitura

Brasília - O medo do desemprego no País ficou menor em dezembro do ano passado, de acordo com a pesquisa trimestral realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O indicador recuou 2,0 pontos em relação a setembro, e encerrou 2017 em 65,7 pontos.

Apesar da melhora no último trimestre do ano, o medo do desemprego aumentou 0,9 ponto em 2017 na comparação com dezembro de 2016 e continua 16,9 pontos acima da média histórica do indicador.

"O resultado indica a persistência da insegurança em relação à recuperação do mercado de trabalho, apesar dos sinais de recuperação da economia", avaliou a CNI.

Já o Índice de Satisfação com a Vida caiu 0,4 ponto no último trimestre do ano passado e fechou o ano em 65,6 pontos. Na comparação com dezembro de 2016, a piora no indicador foi de 1,2 ponto.

"O índice permanece entre os valores mais baixos registrados na série histórica, iniciada em 1996", completou a entidade.

Foram entrevistadas 2.000 pessoas em 127 municípios, entre os dias 7 e 10 de dezembro.