Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Mansueto defende privatizações e mudança tributária para fomentar receita

Secretário do Tesouro disse que o Brasil não registrará mais superávits primários no governo Bolsonaro, como era esperado antes da crise do coronavírus

O secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, disse nesta quarta-feira que o país precisa acelerar seus projetos de privatização e concessões no curto prazo e também focar mudanças em regimes tributários especiais, para lidar com a queda das receitas, duramente abaladas pela retração da atividade econômica, que pode chegar a 7% neste ano segundo o secretário.

Em live promovida pelo Citi, Mansueto afirmou que o país não voltará a registrar superávits primários neste governo, como era a expectativa antes da crise do coronavírus, principalmente por causa da queda das receitas.

Ele destacou que, enquanto o aumento das despesas públicas por medidas voltadas ao enfrentamento da crise será concentrado neste ano, as receitas demorarão a se recuperar.

"Antes da crise estávamos esperando que até o final deste governo teríamos superávit primário, e esse não é mais o caso. Não pelos gastos, mas muito mais pelas receitas, como você vai ter o PIB caindo 6%, 7% este ano, você perde receitas este ano e no próximo também", disse Mansueto.

"Se você não fizer nada do lado da receita, provavelmente você não terá superávits primários até o final do próximo governo, isso é muito longo, não podemos aceitar isso."

Para o secretário, que está deixando o governo no próximo mês, o governo precisa acelerar as privatizações em 2021 e 2022, com destaque à da Eletrobras, e também alterar regimes especiais, como os que permitem deduções "que não fazem sentido" no pagamento de imposto de renda.

Mansueto reiterou que considera a reforma tributária a mais importante no momento atual e que vê o Congresso mobilizado de forma inédita em torno do debate. Ele se disse otimista com a possibilidade de o governo aprovar pelo menos parte de uma reforma no próximo ano.

Em 2020, Mansueto disse que o país deve fechar o ano com um déficit primário em torno de 11% do PIB e um déficit nominal de 15% a 16% do PIB. A dívida bruta ficará em torno de 95% do PIB, enquanto a dívida líquida chegará a 65%, 66% do PIB, estimou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também