Economia

Lula diz que Galípolo ‘tem condição’ de presidir BC, mas que decisão será feita com o Senado

Presidente afirma que ainda não conversou com o diretor do BC sobre uma possível indicação

Lula: governo atual enfrenta muitos desafios em diversos setores (Ricardo Stuckert / PR/Divulgação)

Lula: governo atual enfrenta muitos desafios em diversos setores (Ricardo Stuckert / PR/Divulgação)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 27 de junho de 2024 às 18h00.

Última atualização em 27 de junho de 2024 às 18h08.

Tudo sobreGoverno Lula
Saiba mais

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva declarou, nesta quinta-feira, que o diretor de Política Monetária do Banco Central (BC), Gabriel Galípolo, tem "todas as condições de ser presidente do Banco Central". Questionado se o diretor será sua indicação em 2025, Lula disse que ainda não fechou um nome.

A declaração foi feita em entrevista à rádio Itatiaia, em Belo Horizonte. Galípolo é o principal cotado para suceder o atual presidente do BC indicado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro, Roberto Campos Neto, que encerra o mandato no final de 2024.

"O Galípolo é um menino de ouro, competentíssimo, de uma honestidade ímpar. Ele tem todas as condições para ser presidente do Banco Central, mas nunca conversei com ele (...) O cidadão que está lá tem mandato até dezembro, então eu não tenho pressa", disse Lula.

O petista disse que ainda não conversou com o diretor do BC sobre uma possível indicação, e que irá conversar com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, antes de fazer a escolha. Galípolo esteve com Lula e o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, no Palácio do Planalto na última terça-feira, em uma reunião com foco na meta de inflação. No encontro, Lula deu aval para mudança na meta de inflação, com novo prazo de referência.

"Vou indicar uma pessoa que entenda muito de política monetária. Que goste do Brasil, que tenha compromisso com o Brasil (...) Na hora que disser que tem de aumentar a taxa de juros ele tem de explicar porque tem de aumentar. E, na hora que abaixar, também tem de explicar por que vai abaixar", comentou o presidente sobre a presidência do BC na entrevista.

Acompanhe tudo sobre:Luiz Inácio Lula da SilvaFernando HaddadMinistério da FazendaBanco CentralGabriel Galípolo

Mais de Economia

Lula diz que a fome 'existe por decisão política' e quer tirar o Brasil do Mapa da fome até 2026

Taxação global de 2% sobre super-ricos arrecadaria de US$ 200 a US$ 250 bi por ano, diz Haddad

‘Problema dos gastos no Brasil não é ter os pobres no Orçamento’, diz Simone Tebet

Plano Real, 30 anos: Gustavo Loyola e as reformas necessárias para o Brasil crescer

Mais na Exame