• AALR3 R$ 19,61 -0.71
  • AAPL34 R$ 73,38 -0.24
  • ABCB4 R$ 16,92 2.67
  • ABEV3 R$ 14,87 1.23
  • AERI3 R$ 4,01 -8.45
  • AESB3 R$ 10,88 1.40
  • AGRO3 R$ 31,76 0.47
  • ALPA4 R$ 21,27 -1.94
  • ALSO3 R$ 20,13 1.31
  • ALUP11 R$ 26,52 1.26
  • AMAR3 R$ 2,42 1.68
  • AMBP3 R$ 30,63 3.37
  • AMER3 R$ 23,51 -0.63
  • AMZO34 R$ 71,30 -0.32
  • ANIM3 R$ 5,79 4.32
  • ARZZ3 R$ 82,79 0.02
  • ASAI3 R$ 15,62 1.63
  • AZUL4 R$ 22,26 4.70
  • B3SA3 R$ 11,91 2.23
  • BBAS3 R$ 36,28 2.43
  • AALR3 R$ 19,61 -0.71
  • AAPL34 R$ 73,38 -0.24
  • ABCB4 R$ 16,92 2.67
  • ABEV3 R$ 14,87 1.23
  • AERI3 R$ 4,01 -8.45
  • AESB3 R$ 10,88 1.40
  • AGRO3 R$ 31,76 0.47
  • ALPA4 R$ 21,27 -1.94
  • ALSO3 R$ 20,13 1.31
  • ALUP11 R$ 26,52 1.26
  • AMAR3 R$ 2,42 1.68
  • AMBP3 R$ 30,63 3.37
  • AMER3 R$ 23,51 -0.63
  • AMZO34 R$ 71,30 -0.32
  • ANIM3 R$ 5,79 4.32
  • ARZZ3 R$ 82,79 0.02
  • ASAI3 R$ 15,62 1.63
  • AZUL4 R$ 22,26 4.70
  • B3SA3 R$ 11,91 2.23
  • BBAS3 R$ 36,28 2.43
Abra sua conta no BTG

Lei do Distrato Imobiliário é publicada no Diário Oficial da União

Clientes que desistirem da compra de um imóvel negociado na planta terão de pagar até 50% do valor já dado à construtora como multa
São Paulo: cidade tem o segundo metro quadrado médio mais caro do índice Fipezap (Thinkstock/Filipe Frazao)
São Paulo: cidade tem o segundo metro quadrado médio mais caro do índice Fipezap (Thinkstock/Filipe Frazao)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 28/12/2018 11:10 | Última atualização em 28/12/2018 14:09Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Brasília - A edição do Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira, 28, publica a Lei 13.786/2018, que regulamenta o chamado distrato imobiliário. Pela norma, clientes que desistirem da compra de um imóvel negociado na planta terão de pagar até 50% do valor já dado à construtora como multa para se desfazer do negócio. O texto foi sancionado na quinta-feira, 27, pelo presidente Michel Temer sem nenhum veto e já está em vigor.

O projeto da lei, aprovado no início do mês pelo Congresso Nacional, foi duramente criticado por entidades de defesa do consumidor porque a multa fixada é muito maior do que as que vinham sendo estabelecidas pela Justiça. Casos julgados nos últimos anos previam a retenção de 10% a 25% do valor já pago como multa.

Já as empresas de construção civil alegavam que os prejuízos são altos quando um cliente desiste da compra do imóvel. Assim, a nova lei foi muito bem recebida pelo mercado imobiliário. A Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) considera que a medida vai devolver a necessária segurança jurídica a todos os envolvidos no setor. "Com a nova legislação, o setor imobiliário começa o ano de 2019 com mais equilíbrio, previsibilidade e confiança para investir", disse a associação em nota.