A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Juros fecham em alta um dia após anúncio de medidas fiscais

Os juros futuros operaram em alta durante toda esta terça-feira, 15, depois de terem registrado queda significativa na véspera

São Paulo - O "day after" do pacote fiscal anunciado pelo governo federal foi marcado pela frustração dos investidores diante das dificuldades a serem enfrentadas pelo Planalto na tentativa de evitar um novo rebaixamento do País.

Os juros futuros operaram em alta durante toda esta terça-feira, 15, depois de terem registrado queda significativa na véspera, quando o mercado recebia com certo otimismo a divulgação das medidas do governo.

Do total de R$ 64,9 bilhões a serem obtidos pelo governo por meio do pacote, R$ 32 bilhões referem-se à arrecadação com a volta da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), a uma alíquota de 0,2% de todas as transações bancárias.

Mas a volta do "imposto do cheque", devido à sua impopularidade, é justamente o principal ponto de resistência no Congresso, onde a repercussão negativa foi imediata.

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), manifestou-se ainda na segunda-feira, sinalizando que dificilmente o governo conseguiria aprovar a CPMF.

Hoje Cunha voltou a falar sobre a medida, ao dizer que o governo "não tem voto" no Congresso para aprovar o que depende dos parlamentares.

Ao se posicionar sobre o assunto, Cunha disse que "apoio do PMDB à presidente é uma coisa, mas apoio à CPMF é outra coisa". Com a fala de Cunha, dólar e juros aceleraram a alta com que operavam.

No final dos negócios no horário regular, no entanto, dólar e juros já abandonavam os patamares mais elevados do dia. Para isso, contribuiu a desvalorização da divisa americana no mercado internacional, além de uma realização de lucros (venda de moeda) por aqui.

No mercado futuro de juros, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2016 fechou com taxa de 14,355%, ante 14,350% no ajuste de ontem.

O DI para janeiro de 2017 fechou em 14,99%, de 14,93%; o DI para janeiro de 2019, 15,07%, de 15,03%. O contrato com vencimento em janeiro de 2021 tinha taxa de 14,96%, ante 14,95% no ajuste anterior.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também