A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

J.P. Morgan passa a ver queda de 5% no PIB do Brasil no 1º trimestre

Mesmo que a revisão reflita efeito estatístico, a instituição ressalvou que já vinha incorporando nas contas o fim do auxílio emergencial e a alta "significativa" nos casos e mortes relacionados à covid-19

O J.P. Morgan rebaixou nesta terça-feira sua previsão para o desempenho da economia brasileira neste primeiro trimestre, citando base de comparação mais alta nos últimos três meses de 2020, quando nas contas do banco a atividade surpreendeu para cima.

O J.P. Morgan estima agora que o produto interno bruto (PIB) retrairá 5% entre janeiro e março frente ao intervalo de outubro a dezembro, com ajuste sazonal. O prognóstico anterior era de queda de 2%.

Mesmo que a revisão reflita efeito estatístico, a instituição ressalvou que já vinha incorporando nas contas do PIB o fim do auxílio emergencial e, sobretudo, a alta "significativa" nos casos e mortes relacionados à covid-19 desde novembro.

"De fato, embora o setor industrial pareça seguir sólido no curto prazo, a queda contínua na confiança do consumidor reforça a tese de um crescimento negativo do PIB no primeiro trimestre", disseram Cassiana Fernandez e Vinicius Moreira em nota.

Para o último trimestre de 2020, a nova expectativa é que a atividade tenha saltado 10% sobre o período imediatamente anterior, frente a crescimento antes estimado em 4%.

As revisões se deram após os dados mais fortes que o esperado da produção industrial brasileira.

"Esta previsão [do quarto trimestre de 2020] considera que o setor de serviços e as vendas no varejo vão contrair em dezembro, conforme sugerido por dados recentes. Com essa mudança, atualizamos nossa estimativa para o PIB 2020 de -4,6% para -4,3%", disseram os profissionais do J.P. Morgan.

Enquanto a estimativa para o PIB de 2020 foi melhorada, a para 2021 foi mantida em expansão de 2,6%, bem abaixo da taxa de 3,5% da mais recente pesquisa Focus do Banco Central.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também