• AALR3 R$ 20,13 -0.20
  • AAPL34 R$ 68,52 1.72
  • ABCB4 R$ 16,65 0.79
  • ABEV3 R$ 14,21 1.21
  • AERI3 R$ 3,75 5.04
  • AESB3 R$ 10,92 0.74
  • AGRO3 R$ 31,36 0.58
  • ALPA4 R$ 22,15 4.04
  • ALSO3 R$ 18,85 -0.79
  • ALUP11 R$ 26,51 -2.07
  • AMAR3 R$ 2,58 1.57
  • AMBP3 R$ 32,48 4.47
  • AMER3 R$ 21,50 -1.78
  • AMZO34 R$ 3,43 5.09
  • ANIM3 R$ 5,66 3.47
  • ARZZ3 R$ 81,38 2.42
  • ASAI3 R$ 16,30 3.69
  • AZUL4 R$ 20,95 4.38
  • B3SA3 R$ 12,43 4.37
  • BBAS3 R$ 37,45 -0.32
  • AALR3 R$ 20,13 -0.20
  • AAPL34 R$ 68,52 1.72
  • ABCB4 R$ 16,65 0.79
  • ABEV3 R$ 14,21 1.21
  • AERI3 R$ 3,75 5.04
  • AESB3 R$ 10,92 0.74
  • AGRO3 R$ 31,36 0.58
  • ALPA4 R$ 22,15 4.04
  • ALSO3 R$ 18,85 -0.79
  • ALUP11 R$ 26,51 -2.07
  • AMAR3 R$ 2,58 1.57
  • AMBP3 R$ 32,48 4.47
  • AMER3 R$ 21,50 -1.78
  • AMZO34 R$ 3,43 5.09
  • ANIM3 R$ 5,66 3.47
  • ARZZ3 R$ 81,38 2.42
  • ASAI3 R$ 16,30 3.69
  • AZUL4 R$ 20,95 4.38
  • B3SA3 R$ 12,43 4.37
  • BBAS3 R$ 37,45 -0.32
Abra sua conta no BTG

Japão terá US$ 24,5 bi para novo plano de estímulo econômico

A verba orçamentária adicional será incluída no atual exercício fiscal, que começou em abril e concluirá em março de 2016

	Shinzo Abe: governo quer aumentar natalidade e reduzir número de trabalhadores que deixam seus empregos para cuidarem de seus filhos
 (Petar Kujundzic/Reuters)
Shinzo Abe: governo quer aumentar natalidade e reduzir número de trabalhadores que deixam seus empregos para cuidarem de seus filhos (Petar Kujundzic/Reuters)
Por Da RedaçãoPublicado em 27/11/2015 07:14 | Última atualização em 27/11/2015 07:14Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Tóquio - O governo do Japão decidiu nesta sexta-feira destinar um orçamento adicional de aproximadamente 3 trilhões de ienes (US$ 24,5 bilhões) para um plano de estímulo econômico, que inclui medidas sociais e subsídios ao setor agrícola.

O pacote de medidas foi aprovado ontem em reunião do Executivo e hoje o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, encarregou aos ministérios correspondentes que elaborem um orçamento adicional para iniciar essas iniciativas no próximo exercício fiscal, informou a agência local "Kyodo".

A verba orçamentária adicional será incluída no atual exercício fiscal, que começou em abril e concluirá em março de 2016, e pode superar os 3 trilhões de ienes (US$ 24,5 bilhões), segundo disseram fontes governamentais à "Kyodo".

Esses recursos adicionais "se concentrarão em resolver os principais problemas que o Japão enfrenta", afirmou o vice-primeiro-ministro japonês e titular de Finanças, Taro Aso, ao ser questionado hoje sobre o plano em entrevista coletiva.

O plano inclui medidas destinadas a fomentar a natalidade e o emprego feminino, e assim como a proposta do Executivo de aumentar o salário mínimo legal em até 3% para 2016, tem como objetivos conter o declínio demográfico do país e revitalizar a economia.

Em particular, o plano contempla aumentar o número de vagas gratuitas nas creches das 400 mil atuais para até 500 mil, assim como conceder maiores ajudas para os casais com filhos e para as mães solteiras que solicitem licença maternidade.

A estratégia também inclui iniciativas para ampliar os centros de cuidado de idosos e de outras pessoas dependentes, além de incrementos para as pensões mais baixas e de outras ajudas sociais.

Assim, Abe pretende aumentar a taxa de natalidade atual de 1,4 filhos por mulher para até 1,8, e reduzir a "zero" o número de trabalhadores que deixam seus empregos para cuidarem de seus filhos e familiares dependentes, segundo afirmou o premiê em declarações citadas pelo jornal "Nikkei".

Além disso, o plano de estímulo contém um novo sistema de subsídios para o setor agrícola, com o objetivo de aumentar sua competitividade em nível internacional e para conter o impacto negativo que terá o Acordo de Associação Transpacífico (TPP), recentemente assinado pelo Japão e outros 11 países.

Os fundos para financiar o pacote de medidas virão de verbas restantes do orçamento de 2014 e das receitas fiscais do exercício em curso, segundo as fontes citadas.

O Executivo deve dar seu sinal verde para este orçamento adicional em meados de dezembro, com objetivo de aprová-lo definitivamente no parlamento no dia 4 de janeiro.