IPCA para 2012 sobe de 5,12% para 5,22%, prevê mercado

Com a elevação, a estimativa se distancia do previsto um mês atrás, quando analistas esperavam 5,08%

Brasília – O mercado financeiro reforçou a expectativa de aumento dos preços em 2012 na pesquisa Focus divulgada nesta segunda-feira pelo Banco Central (BC). No levantamento, a mediana das expectativas para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) neste ano voltou a subir e passou de 5,12% para 5,22%. Com a elevação, a estimativa se distancia do previsto um mês atrás, quando analistas esperavam 5,08%. Para 2013, as estimativas para a inflação oficial foram em trajetória contrária e, após duas altas seguidas, caíram de 5,56% para 5,53%, ante 5,50% de quatro semanas antes.

A projeção de alta da inflação para os próximos 12 meses, medida pela projeção suavizada para o IPCA, não mudou e seguiu em 5,53% pela segunda semana consecutiva. Um mês atrás, a previsão de alta dos preços nos 12 meses à frente estava em 5,47%.

As estimativas para o IPCA no grupo dos analistas consultados que mais acertam as projeções, o chamado Top 5, subiram de 5,03% para 5,22% em 2012. Para 2013, a previsão avançou de 5,40% para 5,80% após três semanas seguidas sem alteração. Há um mês, o grupo apostava em altas de 4,91% e 5,40% para cada ano, respectivamente.

Entre todos os analistas ouvidos pelo BC, a mediana das previsões para o IPCA em maio subiu de 0,47% para 0,48%, acima do 0,47% previstos há um mês. Para junho, a previsão seguiu em 0,28% pela sexta semana seguida.

PIB

A estimativa para o crescimento da economia brasileira em 2012 recuou de 3,23% para 3,20%. Para 2013, no entanto, a aposta seguiu em 4,30%. Um mês antes, as estimativas eram de expansão de 3,20% neste ano e de 4,30% em 2013.

A projeção para o crescimento da indústria neste ano foi na direção contrária à feita para o Produto Interno Bruto (PIB) e reagiu ligeiramente, de 1,92% para 1,94%. Para 2013, a mediana das estimativas para a expansão industrial manteve-se em 3,95%. Um mês antes, a pesquisa apontava expectativa de crescimento de 2% neste ano e de 4% em 2013.

Analistas reduziram ainda a previsão para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB em 2012, de 36,10% para 36,00%. Para 2013, a projeção diminuiu de 34,70% para 34,60%. Há quatro semanas, as projeções estavam, respectivamente, em 36,15% e 34,70% do PIB para cada um dos dois anos.

Suporte a Exame, por favor desabilite seu Adblock.