Investigações dominam dia na Antártida, diz embaixador

Dois dias depois do incêndio que destruiu a Estação Comandante Ferraz, as autoridades brasileiras também homenageiam os dois militares mortos
O embaixador do Brasil no Chile, Frederico Cezar de Araujo: "há informações preliminares que houve uma falha no sistema elétrico" (Wilson Dias/ABr)
O embaixador do Brasil no Chile, Frederico Cezar de Araujo: "há informações preliminares que houve uma falha no sistema elétrico" (Wilson Dias/ABr)
R
Renata GiraldiPublicado em 27/02/2012 às 13:03.

Brasília – Dois dias depois do incêndio que destruiu a Estação Comandante Ferraz, na Antártida, as autoridades brasileiras homenageiam os dois militares mortos e intensificam as investigações sobre as causas do acidente. O embaixador do Brasil no Chile, Frederico Cezar de Araujo, disse à Agência Brasil (ABr) que as apurações preliminares indicam que uma falha no sistema elétrico gerou o incêndio na base. Independentemente das causas do acidente, o diplomata reiterou que a ordem da presidente Dilma Rousseff é começar “o mais rápido possível” o trabalho de reconstrução da estação.

A seguir, os principais trechos da entrevista de Araujo à Agência Brasil.

Agência Brasil – Pouco mais de 48 horas após o incêndio, como está a situação na estação brasileira na Antártica?
Frederico Araujo – É praticamente impossível permanecer na Estação Comandante Ferraz, por isso monitoramos da estação chilena, que é bem próxima. Conseguimos retirar os pesquisadores, militares e funcionários que lá estavam e que já chegaram ao Brasil [cerca de 40 pessoas retornaram nesta madrugada ao Brasil]. Por ordem da presidente Dilma Rousseff, será reconstruída a base o mais rápido possível.

ABr – Já há informações sobre as causas do incêndio?
Araujo – Um inquérito será aberto e conduzido pelo Ministério da Defesa. Mas há informações preliminares que houve uma falha no sistema elétrico [na base brasileira de pesquisas científicas]. Ao que tudo indica, houve um defeito. Infelizmente, havia duas pessoas [que morreram] no local. Mas, por sorte, a maioria [cerca de 60] conseguiu se salvar.

ABr – A presidente Dilma Rousseff destacou o heroísmo dos militares brasileiros. O suboficial Carlos Alberto Vieira Figueiredo e o sargento Roberto Lopes dos Santos, ambos da Marinha, que morreram, receberão homenagens do governo?
Araujo – Ainda nesta manhã faremos uma homenagem aos dois militares, na base de pesquisas do Chile, de onde os corpos serão transportados pelo Hércules C-130 para o Brasil. Antes da partida, o suboficial e o sargento receberão nossas homenagens. A previsão é que o avião com os corpos chegue ao Brasil entre hoje [27] à noite e amanhã [28], tudo depende das condições do tempo.

ABr – Em meio à tragédia, o senhor disse que houve também muita solidariedade, como?
Araujo – Sem dúvida alguma. Houve apoio dos chilenos, argentinos, uruguaios e também dos poloneses e de um médico russo. Vou agradecer a todos em nome do Brasil. A solidariedade em situações como essa é fundamental.

ABr – Quais são as próximas providências que serão tomadas?
Araujo – Ficarei aqui [na região de Punta Arenas, na Costa do Chile] até amanhã [28] para prestar o apoio que for necessário. O nosso ponto de apoio é a base de pesquisas do Chile, De lá monitoramos e tomamos as [eventuais] providências necessárias.