Inflação na OCDE fica estável em 0,6%, mas acelera no Brasil

No caso do Brasil, o relatório da OCDE diz que a inflação acelerou para 9,6% no ano em julho, no patamar mais alto desde novembro de 2003

São Paulo - O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) dos países integrantes da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) ficou em 0,6% em julho, na comparação com igual mês de 2014, informou a própria entidade nesta terça-feira. O resultado é o mesmo pelo terceiro mês consecutivo.

Os preços de energia continuaram a recuar em julho, na comparação com igual mês do ano anterior. A queda ficou em 9,5%, um pouco maior que o declínio de 9,3% registrado em junho. A inflação gerada pelos preços dos alimentos desacelerou para 1,3% no ano em julho, de 1,5% no ano em junho.

No caso do Brasil, o relatório da OCDE diz que a inflação acelerou para 9,6% no ano em julho, no patamar mais alto desde novembro de 2003. Em junho, a inflação anual no País estava em 8,9%.

Na Rússia, a inflação ao consumidor acelerou para 15,6% nos 12 meses até julho, de 15,3% em junho. Nos Estados Unidos, o CPI acelerou de 0,1% em junho para 0,2% em julho.

Na zona do euro, o CPI ficou estável em 0,2% nos 12 meses até julho. Na China, por sua vez, o CPI acelerou de 1,4% em junho para 1,6% no ano em julho.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.