Inflação de junho deve subir, mas logo voltará

A estimativa de mercado é que o resultado passe de 1% entre maio e junho, impulsionado pelo aumento de demanda em virtude da recente greve dos caminhoneiros

Antes de a Seleção Brasileira entrar em campo nesta sexta-feira, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga os números de junho do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, o IPCA. A estimativa de mercado é que o resultado passe de 1% entre maio e junho, impulsionado pelo aumento de demanda em virtude da recente greve dos caminhoneiros.

No mês passado, os resultados de maio mostravam alta de 0,4%, influenciada por reajustes nas tarifas de energia elétrica, da gasolina e óleo diesel. A entrada em vigor da bandeira amarela fez com que a energia tenha sido reajustada naquele mês em sete capitais. O auge foi em Belo Horizonte, com 18,53% de aumento. No caso do diesel, como ficou evidente com a greve, o ajuste foi conduzido pelos preços do barril de petróleo no período.

A alta de hoje foi “adiantada” no IPCA-15, a prévia da inflação para o mês, que registrou alta de 1,1%. Foi a maior variação para o mês desde 1995, quando marcou 2,35%. Dois dos carrascos foram setores altamente impactados pela greve: Alimentação e bebidas (alta de 1,57%) e Transportes (1,95%). O resultado do período anterior neste ano havia sido de apenas 0,14%.

“A boa notícia é que dados mais recentes indicam que muitos destes preços já começaram a cair, e provavelmente devem retornar dentro das próximas semanas a patamares próximos aos vistos antes da greve”, diz relatório do banco Santander, que projeta alta de 1,17% no IPCA. Segundo o banco, o resultado permite manter as projeções do governo que fizeram o Conselho Monetário Nacional manter a meta de inflação para 2021 em 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais e para menos, o que sinaliza que juros mais baixos ainda são possíveis para os próximos anos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Inflação de junho deve subir, mas logo voltará

Antes de a Seleção Brasileira entrar em campo nesta sexta-feira, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga os números de junho do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, o IPCA. A estimativa de mercado é que o resultado passe de 1% entre maio e junho, impulsionado pelo aumento de demanda em virtude da recente greve dos caminhoneiros.

No mês passado, os resultados de maio mostravam alta de 0,4%, influenciada por reajustes nas tarifas de energia elétrica, da gasolina e óleo diesel. A entrada em vigor da bandeira amarela fez com que a energia tenha sido reajustada naquele mês em sete capitais. O auge foi em Belo Horizonte, com 18,53% de aumento. No caso do diesel, como ficou evidente com a greve, o ajuste foi conduzido pelos preços do barril de petróleo no período.

A alta de hoje foi “adiantada” no IPCA-15, a prévia da inflação para o mês, que registrou alta de 1,1%. Foi a maior variação para o mês desde 1995, quando marcou 2,35%. Dois dos carrascos foram setores altamente impactados pela greve: Alimentação e bebidas (alta de 1,57%) e Transportes (1,95%). O resultado do período anterior neste ano havia sido de apenas 0,14%.

“A boa notícia é que dados mais recentes indicam que muitos destes preços já começaram a cair, e provavelmente devem retornar dentro das próximas semanas a patamares próximos aos vistos antes da greve”, diz relatório do banco Santander, que projeta alta de 1,17% no IPCA. Segundo o banco, o resultado permite manter as projeções do governo que fizeram o Conselho Monetário Nacional manter a meta de inflação para 2021 em 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais e para menos, o que sinaliza que juros mais baixos ainda são possíveis para os próximos anos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.