Economia

Índia presidirá banco porque propôs a criação, afirma Dilma

Presidente negou que o governo tenha aberto mão da presidência para evitar um impasse nas negociações


	Vladimir Putin, Narendra Modi, Dilma Rousseff, Xi Jinping e Jacob Zuma, em foto oficial na 6ª Cúpula dos BRICS
 (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Vladimir Putin, Narendra Modi, Dilma Rousseff, Xi Jinping e Jacob Zuma, em foto oficial na 6ª Cúpula dos BRICS (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

DR

Da Redação

Publicado em 15 de julho de 2014 às 20h20.

Fortaleza - A presidente Dilma Rousseff negou que o governo brasileiro tenha aberto mão da presidência do banco dos BRICS para evitar um impasse nas negociações para a criação do banco na reunião de cúpula dos grupo.

Em entrevista coletiva após a reunião, neste terça-feira, 15, a presidente disse que o grupo decidiu escolher a Índia para a primeira presidência porque foi o governo indiano que propôs a criação do banco.

Dilma fez questão de ressaltar que foi o Brasil que apresentou a proposta para a criação do Acordo Contingente de Reservas - o fundo virtual de reservas.

"O acordo não tem presidente, foi iniciativa do governo brasileiro. É bom que se diga", afirmou. Ela ressaltou ainda a importância do consenso.

A presidente falou ainda sobre a importância de o capital do novo banco de desenvolvimento ser dividido em partes iguais entre os cincos integrantes do grupo.

Ela também ressaltou a importância do banco em um momento em que os países não têm tido acesso a fontes de financiamento.

Segundo Dilma, o banco vai permitir condições para o investimento em programas que tenham a ver com a expansão da produção e grandes desafios de políticas sociais.

Acompanhe tudo sobre:Ásiabancos-de-investimentoBricsDilma RousseffÍndiaPersonalidadesPolítica no BrasilPolíticosPolíticos brasileirosPT – Partido dos Trabalhadores

Mais de Economia

Qual é a diferença entre bloqueio e contingenciamento de recursos do Orçamento? Entenda

Haddad anuncia corte de R$ 15 bilhões no Orçamento de 2024 para cumprir arcabouço e meta fiscal

Fazenda mantém projeção do PIB de 2024 em 2,5%; expectativa para inflação sobe para 3,9%

Mais na Exame