Economia

Inadimplência no semestre tem maior alta em 9 anos

Crescimento dos inadimplentes foi de 22,3% em relação ao mesmo período do ano anterior

Pesquisa foi divulgada hoje pela Serasa Experian (Stock.xchng)

Pesquisa foi divulgada hoje pela Serasa Experian (Stock.xchng)

DR

Da Redação

Publicado em 11 de julho de 2011 às 11h46.

São Paulo - A inadimplência do consumidor no primeiro semestre deste ano cresceu 22,3% em comparação com o mesmo período de 2010, a maior alta do indicador em nove anos, de acordo com pesquisa divulgada hoje pela Serasa Experian, empresa especializada em análise de crédito.

A inadimplência do consumidor também apresentou crescimento na comparação mensal - alta de 7,9% em junho ante maio - e na comparação anual - alta de 29,8% em junho ante o mesmo mês de 2010.

Segundo os economistas da Serasa Experian, o crescimento da inadimplência no semestre é reflexo dos efeitos da política monetária para controle da inflação, com alta dos juros, do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) e o encarecimento do crédito. "O consumidor enfrenta uma redução no poder aquisitivo, e o crescente endividamento dificulta o pagamento das dívidas assumidas anteriormente", afirma a entidade, em nota.

Os economistas destacam a elevação da inadimplência na modalidade de pagamentos com cheques, considerada um reflexo do maior uso da modalidade de cheques pré-datados pelos varejistas, para contornar os custos com cartões de crédito e para aliviar o consumidor do maior IOF.

O valor médio das dívidas referentes a cheques sem fundos aumentou 7,0%, de R$ 1.227,82 no primeiro semestre de 2010 para R$ 1.313,97 no primeiro semestre deste ano. No mesmo período, valor médio dos títulos protestados cresceu 14,9%, de R$ 1.156,29 para R$ 1.328,50. Já as dívidas não bancárias (lojas em geral, cartões de crédito, financeiras e prestadoras de serviços como luz e água) caíram 20,2%, de R$ 358,50 para R$ 307,54, enquanto as dívidas bancárias recuaram 2,0%, de R$ 1.335,17 para R$ 1.307,90.

Na comparação mensal, os cheques sem fundos cresceram 18,9% em junho ante maio. Em seguida aparecem as dívidas com bancos (8,1%) e as dívidas não bancárias (5,4%). Os títulos protestados foram a única modalidade a apresentar recuo (-11,7%) na avaliação mensal.

Acompanhe tudo sobre:ConsumoEmpresasempresas-de-tecnologiaExperianInadimplênciaSerasa Experian

Mais de Economia

Boletim Focus: mercado eleva projeção do IPCA para 2024 de 4% para 4,05%

Plano Real, 30 anos: Como o plano saiu do papel? Veja 3º episódio da série da EXAME

Congelamento de R$ 15 bi no Orçamento será oficializado nesta segunda

Brasil exporta 31 mil toneladas de biscoitos no 1º semestre de 2024

Mais na Exame