Economia

Imposto sobre fortunas foi barrado por Levy, diz Folha

Plano de Mantega para depois das eleições teria sido considerado ineficiente por Levy; estudo feito pelo Senado calculou arrecadação potencial de R$ 6 bilhões

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy: em outras ocasiões, o ministro já havia pedido para que o Congresso não criasse novas despesas (Valter Campanato/ABr)

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy: em outras ocasiões, o ministro já havia pedido para que o Congresso não criasse novas despesas (Valter Campanato/ABr)

João Pedro Caleiro

João Pedro Caleiro

Publicado em 26 de maio de 2015 às 10h26.

São Paulo - O Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF) estava entre as medidas preparadas pelo ex-ministro Guido Mantega para depois das eleições, mas foi barrado por Joaquim Levy por ser considerado ineficiente, diz reportagem do jornal Folha de São Paulo desta terça-feira.

Um estudo feito pelo Senado a pedido da senadora Gleisi Hoffman calculou o efeito de uma alíquota de 1,5% sobre 221 mil contribuintes (o 0,2% mais rico da população) que detinham em 2013 mais de US$ 1 milhão, segundo o Credit Suisse.

Com isso, chegaria-se a uma arrecadação de R$ 10 bilhões, que cairia para algo em torno de R$ 6 bilhões por causa de fatores como transferência de ativos para o exterior e imóveis declarados abaixo do mercado.

O IGF está na Constituição de 1988 mas nunca foi regulamentado. Todos os países da Europa ocidental (com exceção de Portugal, Reino Unido e Bélgica) e países latinos como Argentina e Colômbia já o adotaram.

Em fevereiro, o ministro Joaquim Levy disse que “a taxação estática de grandes fortunas não arrecada muito e não tem muita vantagem. O principal instrumento de tributação é a renda”.

Ele também disse que existem outras alternativas e "numerosas combinações e possibilidades que não se restringem ao Imposto sobre Grandes Fortunas”.

Já em março, o ministro encontrou com senadores da base aliada e discutiu a criação de um imposto federal para taxar a renda dos contribuintes obtida por meio de doações e heranças e outros tipos de transferências que não envolvam a venda de ativos, de acordo com a Agência Estado

O PT demonstra desconforto com os cortes que o governo promove como parte do ajuste fiscal e tem pressionado por medidas de aumento de arrecadação que atinjam "o andar de cima".

Na semana passada, uma Medida Provisória elevou o imposto sobre lucros de bancos de 15% para 20%. Nesta semana, o vice-presidente e atual coordenador político do governo pediu para a presidente Dilma Rousseff para que a base fosse disciplinada em favor das medidas de ajuste.

Acompanhe tudo sobre:Ajuste fiscalGuido MantegaImpostosJoaquim LevyLeãoPersonalidadesPolítica no BrasilPolíticosPolíticos brasileiros

Mais de Economia

Governo sobe previsão de déficit de 2024 para R$ 28,8 bi, com gastos de INSS e BPC acima do previsto

Lula afirma ter interesse em conversar com China sobre projeto Novas Rotas da Seda

Lula diz que ainda vai decidir nome de sucessor de Campos Neto para o BC

Banco Central aprimora regras de segurança do Pix; veja o que muda

Mais na Exame