Homem que decide economia é um só e se chama Paulo Guedes, diz Bolsonaro

Encontro acontece após incômodo do ministro em relação a plano divulgado pela Casa Civil para recuperação após a pandemia do coronavírus

Em uma tentativa de demonstrar união dentro do governo, o presidente Jair Bolsonaro apareceu ao lado de ministros ao deixar o Palácio da Alvorada nesta segunda-feira, entre eles o titular da Economia, Paulo Guedes, e reiterou que é o auxiliar quem manda nas questões econômicas do governo, ao passo que Guedes rejeitou a edição de planos nacionais de desenvolvimento, como se fazia no passado.

"O homem que decide economia no Brasil é um só, e chama-se Paulo Guedes", disse Bolsonaro aos jornalistas ao lado de Guedes e dos ministros Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) e Tereza Cristina (Agricultura), além do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

A entrevista com os ministros acontece após Guedes ter ficado incomodado com a divulgação do Plano Pró-Brasil, que prevê gastos em obras de infraestrutura e cuja elaboração não teve a participação da equipe econômica de Guedes.

O ministro rejeitou a edição de planos nacionais de desenvolvimento, como se fez no passado, e defendeu a necessidade de reformas estruturantes e a responsabilidade fiscal.

"O Programa Pró-Brasl, na verdade, são estudos", disse Guedes. "Agora, isso vai ser feito dentro do programa de recuperação da estabilidade fiscal nossa", garantiu.

Teto e suspensão de reajuste a servidores

O ministro disse também que não há motivos para suspender o teto de gastos mesmo com a epidemia de coronavírus, já que os recursos para saúde estão garantidos.

Segundo Guedes, se faltassem recursos para a Saúde, o teto, aprovado pelo Congresso durante o governo do ex-presidente Michel Temer, "até poderia ser suspenso, mas não é caso".

"Para que falar em derrubar teto se o teto é que nos protege na tempestade", disse Guedes, ao lado de Bolsonaro.

O ministro disse ainda que o governo deve enviar essa semana ao Congresso uma proposta de suspensão de reajustes de salários para servidores públicos por um ano e meio. Segundo Guedes, os servidores precisam dar sua colaboração e não podem "ficar em casa, com a geladeira cheia", em um momento de crise.

"Os servidores vão colaborar, vão ficar um tempo sem pedir aumento, por um ano e meio. Essa semana mesmo vamos ter essa novidade", disse Guedes.

A suspensão de qualquer reajuste a servidores é uma contrapartida ao pacote de ajuda aos Estados que, segundo Guedes, deve ser aprovado esta semana. Essa era uma demanda da equipe econômica para aprovação da ajuda e o governo está trabalhando com o Senado em uma proposta diferente da que foi aprovada pela Câmara dos Deputados, muito além do desejado pela equipe econômica.

O ministro disse ainda que essa semana deverá ser aprovado pelos senadores esse pacote de ajuda aos Estados, em uma negociação com o presidente de Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Congresso

O presidente Jair Bolsonaro moderou o tom de suas falas sobre o Congresso Nacional e afirmou que o parlamento "é bastante sensível e simpático às casas voltadas para a economia". Nas últimas semanas, diversas declarações de Bolsonaro, em especial a participação em ato a favor da ditadura e do AI-5 (dia 19/4), desgastaram a relação com parlamentares.

Durante entrevista na saída do Palácio da Alvorada, Bolsonaro citou as reformas estruturais e medidas fiscais que tramitam na Casa.

"Há uma preocupação muito grande nossa de total responsabilidade com os gastos públicos. Temos algumas reformas pela frente, que brevemente estarão sendo discutidas e votadas. Temos o problema do coronavírus ainda, mas o Ministério da Economia continua alerta e trabalhando para que o Brasil realmente vença este obstáculo agora e volte para o caminho da prosperidade", disse o presidente.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.