Hollande defende regulação diante de organismos econômicos

Segundo Hollande, o mundo "precisa de mecanismos, regulação, ação"

Paris – O presidente francês, François Hollande, defendeu nesta segunda-feira uma maior regulação, especialmente financeira, para enfrentar a crise, no final de uma reunião com os dirigentes dos principais organismos econômicos internacionais.

“Se deixarmos os mercados sozinhos, se esperarmos dos mercados e somente deles a resolução da crise, há o temor de que a mesma ainda se perpetue por longo tempo”, disse o presidente francês na sede da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) em Paris.

Segundo Hollande, o mundo “precisa de mecanismos, regulação, ação”.

Além do secretário geral da OCDE, Ángel Gurría, participaram da reunião os dirigentes da Organização Mundial de Comércio (OMC) Pascal Lamy, do Banco Mundial, Jim Yong Kim, da Organização Internacional do Trabalho (OIT) Guy Rider, e do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, que teve que deixar o encontro antes do fim.

Hollande disse que observou uma grande coerência durante a reunião em relação a “essa tomada de consciência e essa vontade de pôr regulação onde esteve ausente muito tempo”.

Destacou que a instabilidade financeira “não desapareceu”, que há “um tipo de finança que não foi erradicada verdadeiramente, e inclusive nem sequer combatida”.

Lamentou, contudo, o “avanço das práticas protecionistas”.

Hollande estimou que o G20 dos grandes países industrializados e emergentes deve “continuar sendo uma estrutura de coordenação das políticas econômicas” e pediu “uma reforma do sistema monetário internacional”.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.