Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou nesta terça-feira, 21, que o novo arcabouço fiscal terá uma regra de transição para recompor os orçamentos das áreas de saúde e educação. Segundo ele, os dois setores perderam muitos recursos desde a aprovação do teto de gastos, em 2016, que precisam ser repostos.

"Todas as vinculações têm uma regra Constituição e uma regra no teto de gastos. Nós precisamos verificar se na transição de um modelo para o outro como vamos acomodar isso. Voltará a ter vigência a Constituição tal como ela foi promulgada em 1988. A regra do teto mudou completamente isso. Como a gente está saindo de uma regra muito rígida, que retirou muitos recursos da saúde e educação, temos que imaginar uma transição para o novo arcabouço que contemple a reposição das perdas dos dois setores" disse.

O arcabouço dentro dos pedidos de Lula

Haddad ainda declarou que realizou uma reunião técnica sobre o arcabouço fiscal nesta terça com os ministérios do Planejamento e da Gestão para tratar dos últimos detalhes e acertos pedidos pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva na última sexta-feira.

"Hoje tivemos uma reunião técnica confirme tínhamos anunciado ontem. Fizemos a reunião hoje com três ministérios: Fazenda, Planejamento e Gestão. Fechamos os detalhes pedidos na reunião de sexta pelo presidente. Agora vamos prosperar e fazer chegar ao presidente os detalhes que ele pediu. Ele está em viagem amanhã e depois. Em função disso ficou prejudicada uma reunião para levar a ele o resultado dos detalhes pedidos. Estou tranquilo em relação à área técnica. A proposta está avançada e deve ser apresentada depois da viagem à China", disse.

Teto de juros do consignado para INSS

Haddad afirmou que o grupo de trabalho que trata do teto de juros do consignado para beneficiários do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) ainda não foi instalado. Segundo ele, o colegiado tem até sexta-feira, 24, para apresentar "os primeiros resultados".

Mais cedo, como mostrou o Broadcast, o presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Isaac Sidney, afirmou que o teto de juros de 1,70% ao mês não suporta a estrutura de custos, inclusive dos bancos públicos que pararam a concessão do consignado para beneficiários do INSS.

Os bancos começaram a suspender na semana passada, temporariamente, a concessão de crédito consignado para aposentados após o Conselho Nacional de Previdência Social reduzir de 2,14% para 1,70% ao mês o teto de juros para essas operações de crédito. O teto também recuou de 3,06% para 2,62% para as operações com cartão consignado.

Créditos

Últimas Notícias

ver mais
G7 sobre setor financeiro: Estamos prontos para tomar as medidas apropriadas
Economia

G7 sobre setor financeiro: Estamos prontos para tomar as medidas apropriadas

Há 5 horas
Política monetária ainda depende de redução do risco fiscal
Economia

Política monetária ainda depende de redução do risco fiscal

Há 13 horas
Presidente do Banco Central destaca importância de reformas estruturais para reduzir taxa de juros
Economia

Presidente do Banco Central destaca importância de reformas estruturais para reduzir taxa de juros

Há um dia
Preços dos combustíveis nos postos resistem a quedas da Petrobras
Economia

Preços dos combustíveis nos postos resistem a quedas da Petrobras

Há um dia
icon

Branded contents

ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais