Guerra comercial: a crise que o próximo presidente não poderá ignorar

Pesquisa da Amcham, cedida com exclusividade para EXAME, revela que as empresas no Brasil estão em alerta para os efeitos da disputa entre EUA e China

São Paulo – A guerra comercial entre os Estados Unidos e a China promete trazer uma grande pressão para o próximo governo do Brasil, independentemente de quem será o candidato vencedor após as eleições, em outubro. É o que indica uma pesquisa da Câmara Americana para o Comércio no Brasil (Amcham) com 130 executivos de grandes empresas brasileiras ou multinacionais, a que EXAME teve acesso com exclusividade.

O levantamento mostra que os executivos estão cautelosos em razão das recentes turbulências comerciais globais. A maioria deles (66%) diz que já trabalha com um cenário de risco, levando em conta um impacto econômico e comercial negativo nos negócios no Brasil. Ainda de acordo com os entrevistados, o diálogo bilateral entre os Estados Unidos e a China, os maiores parceiros comerciais do Brasil, deve ser um dos temas prioritários na agenda do presidente eleito.

O tema é ainda mais urgente num momento em que as previsões de crescimento econômico para o Brasil são mornas, influenciadas por fatores como alta do dólar e a disputa comercial entre as potências. A expectativa do governo federal para o crescimento do PIB em 2018 recuou de 3%, no começo do ano, para 1,6% em julho.

Sobre a relação com os Estados Unidos, especificamente, os executivos entrevistados na pesquisa dizem querer ver um governo brasileiro com postura “ativa” (56%). Eles também acreditam que conversas com os Estados Unidos e a China deveria começar de imediato, numa tentativa de evitar a imposição de novas sobretaxas (33%).

Os entrevistados também acreditam que o comércio exterior é um dos maiores desafios que a próxima gestão irá enfrentar (53%) e apontam que o governo também precisará simplificar e desburocratizar as operações de importação e exportação (51%).

Mercosul e UE: a esperança não morre

Com um cenário internacional turbulento e incerto, os empresários ouvidos pela Amcham acreditam que o risco trazido à tona pela desglobalização, fenômeno que prevê a redução da interdependência e integração no espectro global, pode acelerar o tão sonhado acordo entre União Europeia e o Mercosul, há anos em negociação.

Para muitos dos entrevistados (53%), contudo, mais que uma tratativa com o bloco europeu, uma aproximação maior com outros países da América Latina, como a Aliança do Pacífico (México, Colômbia, Peru e Chile) traria maiores ganhos comerciais. Uma parcela dos executivos (35%) considera que a melhor opção seria aumentar o comércio com a China.

Baixa participação brasileira no comércio exterior

Deborah Vieitas, presidente da Amcham, nota que a experiência em lugares do mundo — como Japão, Alemanha, Coreia do Sul, Singapura, Hong Kong, Chile e Espanha — mostra que as exportações são uma ferramenta importante para crescimento econômico, o que reforça a necessidade de o Brasil aumentar a participação do comércio exterior na economia. “Os países que realmente conseguiram mudar de patamar nos últimos 70 anos têm entre 40% e 50% do PIB ligados às exportações e às importações. No Brasil, é difícil encontrar momentos da economia em que o comércio exterior representasse mais do que 25% do nosso PIB”, diz Deborah Vieitas.

Deborah Vieitas, presidente da Amcham Brasil Deborah Vieitas, presidente da Amcham Brasil

Deborah Vieitas, presidente da Amcham Brasil (Mário Miranda/AMCHAM/)

Ainda de acordo com ela, o próximo presidente do Brasil precisará ter uma postura mais ativa em relação ao comércio exterior e na atração de investimentos. “Precisamos escolher um líder que priorize uma politica internacional com estratégia para o médio e longo prazo e, a desburocratização do comércio. Observamos que, apesar dos riscos evidentes e crescentes, esses temas ainda aparecem de forma tímida nas discussões da nossa politica interna”, avalia.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.