A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Guedes: plano para 10 anos inclui privatizar Petrobras e Banco do Brasil

Guedes afirmou que esse é um dos vetores "muito claros" para o futuro, assim como alterações no regime de Previdência

O ministro da Economia, Paulo Guedes, indicou nesta segunda-feira, 27, que o plano do governo para um horizonte de dez anos contempla privatizar as estatais de maneira irrestrita, incluindo a Petrobras e o Banco do Brasil.

Ao participar de evento promovido pela International Chamber of Commerce-ICC Brasil, ele afirmou que esse é um dos vetores "muito claros" para o futuro, assim como alterações no regime de Previdência.

"Se você pergunta: o que você gostaria de fazer nos próximos dez anos? Mudar o regime previdenciário para capitalização. O Brasil vai crescer 5% ao ano, em vez de crescer 2%, 3%", disse ele, pontuando que a reforma já feita pelo governo Jair Bolsonaro foi razoável, mas não transformadora.

"Qual o plano para os próximos dez anos? Continuar com as privatizações. Petrobras, Banco do Brasil, todo mundo entrando na fila, sendo vendido e isso sendo transformado em dividendos sociais", acrescentou.

Durante sua fala, contudo, o ministro ponderou que quem dá o timing para a realização efetiva das privatizações é a política.

"Eu chego aqui cheio de ideias e planos e sonhos. Agora é a política que comanda o processo todo. Ela pode travar, ela pode desacelerar, ela pode interromper", disse.

Ele avaliou ainda que o governo não andou "no ritmo que gostaríamos" quanto à promessa de se desfazer das empresas públicas.

Ainda assim, Guedes apontou que foram privatizados 240 bilhões de reais em dois anos e meio — cifra referente ao valor levantado com a venda de subsidiárias pelas estatais. Esses recursos não vão diretamente para a União, mas para as próprias empresas.

"As grandes vêm agora: Correios, Eletrobras, isso vem aí", afirmou Guedes.

Abertura

Em relação à abertura da economia, o ministro avaliou que a pandemia de coronavírus atrasou processos que seriam implementados, mas reforçou que o Brasil está engajado na redução de 10% da Tarifa Externa Comum (TEC) do Mercosul, com mais 10% sendo baixados no ano seguinte.

Ele admitiu que a Argentina é contra a investida, mas reforçou que é necessário modernizar o bloco comercial e que ele não pode ser "ferramenta de ideologia".

"Um dia a Argentina falou isso para os outros: Mercosul é como é, quem quiser que se retire. Nós vamos devolver isso para a Argentina: o Mercosul vai se modernizar e quem estiver incomodado que se retire", disse.

Guedes falou ainda sobre o lançamento de um plano de crescimento verde pelo governo, que contará com financiamento de 2,5 bilhões de dólares de bancos multilaterais, como o Novo Banco de Desenvolvimento (o banco do Brics), para investimento em infraestrutura.

"Devemos estar soltando esse novo modelo muito brevemente com participação do NDB, do Banco Mundial, do BNDES", afirmou.

  • Juros, dólar, inflação, BC, Selic. Entenda todos os termos da economia e como eles afetam o seu bolso. Assine a EXAME

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também