• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Governo eleva projeção para crescimento do PIB de 2020 para 2,4%

De acordo com Ministério da Economia, economia brasileira está se aquecendo devido aos juros baixos, liberação do saque do FGTS e expansão do crédito
Paulo Guedes, ministro da Economia: nova grade de parâmetros macroeconômicos foi divulgada nesta terça pelo Ministério da Economia (Reuters/Adriano Machado)
Paulo Guedes, ministro da Economia: nova grade de parâmetros macroeconômicos foi divulgada nesta terça pelo Ministério da Economia (Reuters/Adriano Machado)
Por ReutersPublicado em 14/01/2020 10:50 | Última atualização em 14/01/2020 12:34Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Brasília — O governo elevou nesta terça-feira sua projeção para a alta do Produto Interno Bruto (PIB) este ano a 2,4%, sobre 2,32% anteriormente, citando fatores como a baixa taxa de juros e a expansão do crédito livre como motores do crescimento econômico.

Com isso, a previsão ficou mais otimista que a do mercado, atualmente em 2,30%, conforme boletim Focus mais recente, feito pelo BC junto a uma centena de economistas.

Em seu boletim macrofiscal, a secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia também ajustou para cima a expectativa de elevação do PIB em 2019 a 1,12%, sobre 0,9% anteriormente.

Segundo a SPE, os indicadores de atividade têm apresentado "boas surpresas", com destaque para os setores de serviços, comércio e construção civil.

A secretaria defendeu que uma parte importante da retomada econômica no segundo semestre de 2019 veio por conta da liberação de saques do FGTS, o que deve se estender ao longo dos três primeiros meses deste ano.

"Além disso, a redução das taxas de juros deve começar a apresentar efeitos na atividade no primeiro semestre de 2020, especialmente a partir do segundo trimestre", pontuou.

Atualmente, a Selic está na mínima histórica de 4,5% e há expectativas de que os juros caiam mais 0,25 ponto percentual na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, em fevereiro.

Na visão da SPE, a expansão do crédito livre é "combustível" para o crescimento da atividade econômica e tem mostrado alta considerada consistente.

Para a inflação medida pelo IPCA neste ano, a nova grade de parâmetros macroeconômicos passou a apontar alta de 3,62%, ante patamar de 3,53% informado em novembro, abaixo do centro da meta deste ano, que é de um IPCA de 4%, com margem de 1,5 ponto para mais ou para menos.

Déficit primário

Em coletiva de imprensa, o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, afirmou que o déficit primário de 2019 ficará próximo de 70 bilhões de reais, com estabilidade para a dívida bruta.

Para 2020, ele destacou que a dívida bruta como proporção do PIB não ultrapassará 80%, flutuando com pequenas elevações e reduções ao longo dos meses.

Segundo Waldery, o resultado primário necessário para estabilizar a dívida bruta/PIB é bem menor do que o calculado anteriormente, tendo caído “praticamente pela metade”.

Se o valor era de 2% em superávit primário, esse número já ficou bem melhor”, afirmou.

Mesmo assim, ele ressaltou que o governo deve seguir focado em seus esforços de ajuste fiscal, uma vez que o endividamento médio de países com perfil similar ao do Brasil é mais baixo, da ordem de 50% do PIB.