Governo e empresas iniciam discussões para definir estímulos

De acordo com o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, o objetivo é construir um pacto pela competitividade no Brasil

Brasília - Representantes do governo e do setor produtivo iniciaram hoje (19) as atividades dos grupos de trabalho que proporão medidas de estímulo para o empresariado.

As propostas devem ser entregues até a segunda semana de dezembro. De acordo com o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, o objetivo é construir um pacto pela competitividade no Brasil, com metas, prazos, objetivos e estratégias, e entregá-lo às equipes assumirão as diversas áreas do próximo governo.

Conforme Mercadante, os grupos trabalham em iniciativas que contemplam áreas de infraestrutura, desburocratização, comércio exterior, compras governamentais e inovação.

As discussões foram traçadas a partir de um documento com 42 sugestões para melhorar a competitividade da indústria, entregue em julho aos candidatos que disputavam a Presidência da República.

Presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade disse que a expectativa é começar 2015 com propostas e novas medidas para mudar o perfil da indústria brasileira.

“Todos os temas que tratamos dizem respeito à competitividade. A intenção é que Brasil tenha ganhos na competitividade, de forma que o setor privado também possa competir lá fora, aumentando nossas exportações”, salientou.

Na cerimônia de abertura dos trabalhos, Aloizio Mercadante destacou o setor de energia. Para o ministro, é indispensável que o país possa crescer com oferta de energia e que dê especial atenção às biomassas e ao gás natural.

Ele também tratou da mobilidade urbana, sugerindo parcerias público-privadas, necessidade de mudanças na Lei de Licitações, para aumentar o controle e a eficiência, e do fortalecimento das agências reguladoras.

Mercadante ressaltou a importância de desburocratizar e reduzir o custo do investimento. “Podemos racionalizar, simplificar e desburocratizar a estrutura tributária”.

Segundo o ministro, os resultados dos grupos de trabalho devem ser objetivos. “Elegemos o que achamos estratégico e viável. Não adianta ficar fazendo reuniões. O governo precisa governar, resolver, entregar. Então, temos de concentrar para resolver e pactuar”, alertou.

Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Mauro Borges lembrou a importância de se ter com a indústria uma agenda propositiva e não de “lamentação e crítica ao governo”.

“É uma agenda que olha para o futuro, ação conjunta entre governo e setor empresarial”, disse.

Para o presidente da Câmara de Políticas de Gestão e Desempenho da Competitividade, Jorge Gerdau é fundamental a mobilização de esforços para aumentar a competitividade do produto brasileiro.

“Perdemos preços pelo custo da logística. Temos um sistema tributário com impostos ainda cumulativos, juro caro. Em cenários de alta competição mundial, todos esses fatores obrigam o empresariado a buscar competitividade e eficiência”, assinalou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também