Economia

Governo de Portugal promete não cortar pensões

O plano vetado devia substituir a atual sobretaxa a partir de 2015 e aplicar desta maneira cortes definitivos sobre o sistema de previdência


	'Não farei mais reformas na Seguridade Social até as próximas eleições legislativas'
 (Francisco Leong/AFP)

'Não farei mais reformas na Seguridade Social até as próximas eleições legislativas' (Francisco Leong/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 16 de agosto de 2014 às 12h13.

Lisboa - O governo de Portugal prometeu neste sábado não realizar mais reformas no sistema de previdência durante o resto da legislatura após receber um novo veto do Tribunal Constitucional a seu último plano de cortes.

O primeiro-ministro, o conservador Pedro Passos Coelho, aceitou com este compromisso a sentença do Alto Tribunal divulgada na última quinta-feira, que ilegalizou um plano de cortes permanentes sobre as pensões de mais de 1 mil euros.

'Não farei mais reformas na Seguridade Social até as próximas eleições legislativas', afirmou em um ato de sua legenda, o Partido Social Democrata (PSD, centro-direita).

O chefe do Executivo criticou a interpretação dos juízes da Constituição por considerar que 'só' contempla que as novas gerações 'possam perder direitos' para apoiar uma reforma da seguridade social.

'É uma estranha forma de ver a solidariedade', disse o primeiro-ministro, que assumiu que o problema da sustentabilidade das pensões ficará sem solução durante esta legislatura.

Passos Coelho defendeu o sentido de 'compromisso' de seus ajustes porque repartiam o peso fiscal entras taxas a aposentados e a trabalhadores, além de um aumento do IVA.

O plano vetado devia substituir a atual sobretaxa (conhecida como 'Contribuição Extraordinária de Solidariedade') a partir de 2015 e aplicar desta maneira cortes definitivos sobre o sistema de previdência.

Além disso, a reforma - a terceira referente às pensões desta legislatura - teria servido para arrecadar 372 milhões de euros no próximo ano, segundo as estimativas do governo luso.

Ao invés de propor mais reformas, Passos Coelho instou o principal partido da oposição, o Socialista, a pactuar um acordo antes das eleições legislativas de 2015.

'Este é o momento para dizer ao Partido Socialista que estamos disponíveis antes das eleições para assinar uma reforma da Seguridade Social que tenha a contribuição do PS, já que este é um problema nacional', comentou.

O primeiro-ministro não comentou a outra norma fiscalizada pelo Alto Tribunal, que comportava reduções salariais a funcionários públicos que ganhem mais de 1.500 euros.

Os juízes permitiram parcialmente estas reduções já que aceitou os cortes previstos pelo governo para 2014 e 2015, mas não os projetados entre 2016 e 2018.

A norma entrará em vigor a partir de setembro e poderá ajudar a equilibrar as contas do Estado para este ano e o seguinte.

O Constitucional deixou assim margem de manobra ao governo a curto prazo ao permitir os cortes salariais, a medida de maior arrecadação prevista.

Mesmo assim, a ilegalização da reforma da previdência acrescenta dificuldades ao governo português para reduzir o déficit do próximo ano, que deve diminuir até 2,5%.

O governo se comprometeu a esse objetivo com seus credores (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional) aos quais deve devolver os fundos utilizados do empréstimo de 78 bilhões de euros concedido entre 2011 e 2014.

Desde que chegou ao poder em 2011, o Executivo português enfrentou uma dezena de sentenças contra suas medidas de ajustes, que o obrigaram a buscar alternativas para cumprir as metas fiscais fixadas pelos credores.

Acompanhe tudo sobre:EuropaGestão públicaPiigsPolítica fiscalPortugalPrevidência SocialSetor de previdência

Mais de Economia

Novos dados aumentam confiança do Fed em desaceleração da inflação, diz Powell

Lula pede solução de contradições de europeus para acordo com Mercosul

Crescimento econômico da China desaponta e pressiona Xi Jinping

Prévia do PIB: IBC-Br sobe 0,25% em maio, após estabilidade em abril

Mais na Exame