Economia

Governo avalia baratear o crédito ao campo para conter alta nos alimentos

O conjunto de iniciativas é planejado no momento em que o país ainda vive o impacto da inflação da comida, que gerou uma revisão para cima do IPCA e da Selic

Agronegócio: ainda há regiões do país em que o cultivo é feito de forma muito precária (Cristiano Mariz/Exame)

Agronegócio: ainda há regiões do país em que o cultivo é feito de forma muito precária (Cristiano Mariz/Exame)

AO

Agência O Globo

Publicado em 4 de abril de 2021 às 10h08.

Última atualização em 6 de abril de 2021 às 09h28.

Diante da alta de preços de alimentos, o governo estuda medidas para reduzir o impacto de fatores externos sobre o preço dos alimentos, incluindo ações para diminuir a dependência de produtos comprados em dólar.

O conjunto de iniciativas é planejado no momento em que o país ainda vive o impacto da inflação da comida, que gerou uma revisão para cima nas projeções do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e aumento da Selic, a taxa básica de juros do país.

São exemplos de medidas em estudo linhas de crédito mais baratas para financiar novas tecnologias no campo. Também se discute formas de reduzir a dependência do Brasil por adubos e fertilizantes. Com o dólar mais alto, os elevados custos com a importação acabam repassados para os preços.

No ano passado, preços de alimentos básicos acumularam alta por causa de fatores como a taxa de câmbio e a forte demanda internacional.

Estoques de milho e soja baixos nos EUA

O governo anunciou ações, como a retirada de tarifas de importação do arroz até dezembro, mas a medida foi insuficiente para reverter a pressão nas gôndolas. O produto chegou a registrar queda no início deste ano, mas ainda acumula alta de 69,8% em 12 meses.

O comportamento das commodities segue no radar do Ministério da Agricultura. O diretor do Departamento de Comercialização e Abastecimento da pasta, Silvio Farnese, destaca que a Ásia aumentou seu consumo de grãos e proteína animal.

Além disso, os estoques de milho e soja dos Estados Unidos são os mais baixos dos últimos anos, e os demais sócios do Mercosul enfrentam a mesma situação. Há grãos estocados no Brasil, mas estão nas mãos do setor privado.

"Apesar de tudo, não há desabastecimento no país", disse Farnese, que afirma ter identificado a estabilização dos preços de determinados produtos e até barateamento do arroz.

Discrepâncias na produção

Para elevar a produtividade, uma vez que não há mais como ampliar a fronteira agrícola, o Brasil precisa investir em tecnologia, na avaliação de Ana Paula Kowalski, do Departamento Técnico Econômico (DTE) da Federação de Agricultura do Estado do Paraná (Faep)

O país já explora a maior parte das terras cultiváveis e não tem espaço para expansão, embora possa investir na recuperação das áreas de pastagem degradadas para conversão em lavoura.

A especialista destaca que, além de buscar soluções tecnológicas, é preciso investir em assistência técnica para acompanhar o produtor, especialmente os pequenos, para compensar discrepâncias regionais.

"Enquanto no Centro-Oeste e no Sul tem alta tecnologia sendo empregada, maquinário eficiente, melhor genética e manejo na maioria das áreas, temos regiões do país em que o cultivo ainda é feito de forma muito precária e há baixa produtividade."

Acompanhe tudo sobre:AgronegócioAlimentosCréditoEXAME-no-InstagramGoverno BolsonaroInflaçãoMáquinas agrícolas

Mais de Economia

Novos dados aumentam confiança do Fed em desaceleração da inflação, diz Powell

Lula pede solução de contradições de europeus para acordo com Mercosul

Crescimento econômico da China desaponta e pressiona Xi Jinping

Prévia do PIB: IBC-Br sobe 0,25% em maio, após estabilidade em abril

Mais na Exame