• AALR3 R$ 20,18 0.20
  • AAPL34 R$ 67,27 -2.24
  • ABCB4 R$ 16,63 -0.78
  • ABEV3 R$ 14,06 -0.14
  • AERI3 R$ 3,62 -6.46
  • AESB3 R$ 10,63 -3.10
  • AGRO3 R$ 30,76 -0.45
  • ALPA4 R$ 20,64 -0.58
  • ALSO3 R$ 18,95 -2.67
  • ALUP11 R$ 27,17 0.00
  • AMAR3 R$ 2,38 -3.64
  • AMBP3 R$ 30,14 -3.30
  • AMER3 R$ 22,75 -5.48
  • AMZO34 R$ 63,70 -2.75
  • ANIM3 R$ 5,32 -4.14
  • ARZZ3 R$ 79,30 -0.26
  • ASAI3 R$ 15,59 -1.76
  • AZUL4 R$ 20,42 -7.01
  • B3SA3 R$ 11,83 -2.23
  • BBAS3 R$ 37,66 -0.80
  • AALR3 R$ 20,18 0.20
  • AAPL34 R$ 67,27 -2.24
  • ABCB4 R$ 16,63 -0.78
  • ABEV3 R$ 14,06 -0.14
  • AERI3 R$ 3,62 -6.46
  • AESB3 R$ 10,63 -3.10
  • AGRO3 R$ 30,76 -0.45
  • ALPA4 R$ 20,64 -0.58
  • ALSO3 R$ 18,95 -2.67
  • ALUP11 R$ 27,17 0.00
  • AMAR3 R$ 2,38 -3.64
  • AMBP3 R$ 30,14 -3.30
  • AMER3 R$ 22,75 -5.48
  • AMZO34 R$ 63,70 -2.75
  • ANIM3 R$ 5,32 -4.14
  • ARZZ3 R$ 79,30 -0.26
  • ASAI3 R$ 15,59 -1.76
  • AZUL4 R$ 20,42 -7.01
  • B3SA3 R$ 11,83 -2.23
  • BBAS3 R$ 37,66 -0.80
Abra sua conta no BTG

França diz que não há chance no momento de assinar acordo comercial com Mercosul

Maior produtor agrícola da UE, a França tem sido um dos oponentes mais fortes do acordo alcançado em 2019, mas ainda foi ratificado; bloco europeu quer Brasil engajado em pauta ambiental
 (AFP/Raphael Lafargue)
(AFP/Raphael Lafargue)
Por Da redação, com agênciasPublicado em 22/02/2021 15:02 | Última atualização em 22/02/2021 16:04Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Não há chances no momento de a França ratificar um acordo de livre comércio entre a União Europeia e o Mercosul, disse uma autoridade do palácio presidencial do país nesta segunda-feira. "As condições para repensarmos são numerosas e drásticas e de momento não vemos chance de essas exigências serem cumpridas pelos países em questão", disse a autoridade.

A França, maior produtor agrícola da UE, tem sido um dos oponentes mais fortes da versão atual do acordo com o Mercosul, que reúne Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, o quarto maior bloco comercial do mundo. O acordo foi alcançado em 2019, mas ainda não foi ratificado.

A França citou preocupações com o risco de um aumento nas exportações agrícolas da América do Sul para a Europa e o impacto do futuro acordo sobre as florestas e o clima.

Antes de acordo com Mercosul, Europa quer Brasil engajado em pauta ambiental

União Europeia deseja que o Brasil se comprometa com metas de sustentabilidade, entre elas a redução de desmatamento na Amazônia, como uma condição complementar antes de assinar o acordo de livre-comércio com o Mercosul. O bloco europeu propôs uma declaração política à parte, focada no meio ambiente e com metas e objetivos concretos, como condição para seguir com o processo de assinatura e ratificação parlamentar do tratado. Diplomatas negociam os termos do texto com autoridades do governo Bolsonaro.

A Europa aposta na chegada de Portugal à presidência do conselho rotativo da União Europeia para acelerar a negociação e sensibilizar o governo brasileiro. O país ocupa o cargo até junho. Depois, assume a Eslovênia. Por isso, a diplomacia europeia trabalha com “sentido de urgência” para obter a concordância do Itamaraty na declaração complementar.

Na minuta em discussão, o lado europeu reconhece “dificuldades” no tema sustentabilidade, mas reafirma o interesse no acordo Mercosul-UE. A assinatura do acordo só vai ocorrer depois de o conselho da UE aprovar a declaração. Após a assinatura, os parlamentos dos países-membros e o Parlamento Europeu recebem a íntegra do tratado para votação.

“Essa declaração vai servir para restabelecer a confiança dos Estados-membros no acordo”, afirma Ignacio Ybáñez, embaixador da União Europeia em Brasília, para quem o fracasso da negociação “seria uma oportunidade perdida muito grande”. “O governo brasileiro tem de responder, tem de trazer soluções e boas notícias no âmbito do desmatamento e da Amazônia. E eles sabem. Nas nossas conversas com o vice-presidente (Hamilton Mourão), com o ministro (Ernesto) Araújo (das Relações Exteriores) e o resto do governo todos aceitam que há essa necessidade.”

(Informações de Reuters e Bloomberg)