Economia

Fitch corta rating da Argentina após não pagamento de juros de bônus

A agência de classificação de riscos rebaixou nesta terça-feira o rating de longo prazo do país de C para default restrito (RD)

Presidente da Argentina: Alberto Fernández tenta renegociar as dívidas do país (Ricardo Ceppi/Getty Images)

Presidente da Argentina: Alberto Fernández tenta renegociar as dívidas do país (Ricardo Ceppi/Getty Images)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 26 de maio de 2020 às 16h47.

A Fitch rebaixou nesta terça-feira, 26, o rating de longo prazo da Argentina de C para default restrito (RD). A agência diz em comunicado que isso acontece após as autoridades não pagarem juros sobre três bônus soberanos dentro do período de carência de 30 dias, que venceu no dia 22 de maio. Pelos critérios da Fitch, isso significa um default.

A agência aponta que o país continua a negociar com credores uma reestruturação abrangente de seus bônus regidos sob lei estrangeira.

Os credores privados rejeitaram a oferta inicial feita pelas autoridades em 16 de abril e já entregaram contrapropostas.

O governo estendeu o prazo da negociação até 2 de junho.

A Fitch lembra que as partes comentaram que houve avanços, mas também nota que existe incerteza sobre as perspectivas para um acordo.

Acompanhe tudo sobre:Agências de ratingArgentinaFitchRating

Mais de Economia

‘Problema dos gastos no Brasil não é ter os pobres no Orçamento’, diz Simone Tebet

Plano Real, 30 anos: Gustavo Loyola e as reformas necessárias para o Brasil crescer

Governo sobe previsão de déficit de 2024 para R$ 28,8 bi, com gastos de INSS e BPC acima do previsto

Mais na Exame