FGTS será usado para revitalização da zona portuária do RJ

Rio de Janeiro - A prefeitura do Rio de Janeiro, o Ministério do Trabalho e a Caixa Econômica Federal, oficializaram hoje (16) o convênio para a liberação de R$ 3,5 bilhões do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) para serem investidos na segunda parte do projeto de revitalização da zona portuária da cidade. […]
 (EXAME.com)
(EXAME.com)
D
Da RedaçãoPublicado em 10/10/2010 às 03:42.

Rio de Janeiro - A prefeitura do Rio de Janeiro, o Ministério do Trabalho e a Caixa Econômica Federal, oficializaram hoje (16) o convênio para a liberação de R$ 3,5 bilhões do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) para serem investidos na segunda parte do projeto de revitalização da zona portuária da cidade.

O ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, garantiu que o dinheiro investido no projeto da cidade do Rio, está disponível também para outros municípios.

"Nós fizemos uma reunião no conselho e liberamos R$ 6 bilhões para obras de revitalização e embelezamento de cidades do Brasil inteiro. O Rio de Janeiro foi o primeiro a pedir o dinheiro. Mas qualquer cidade pode solicitar esse dinheiro, como São Paulo e Santos que já estão no processo de solicitação", disse Lupi.

"O dinheiro entra imediatamente em caixa para a prefeitura investir totalmente no projeto do Porto Maravilha. O nosso prazo final é as Olimpíadas de 2016 para concluir o projeto" afirmou o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes.

Durante a segunda fase do projeto, a principal obra será a demolição parcial do Elevado da Perimetral, importante via da cidade que contorna o centro da cidade ligando a zona sul a zona norte. Para desafogar o trânsito está previsto a construção de vias alternativas e de túneis.

De acordo com Paes, a demolição da Perimetral deverá ocorrer entre 2012 e 2013. "A Perimetral só será demolida depois que o mergulhão que será construído para substituir esta avenida estiver concluído. Isso deve ocorrer entre 2012 e 2013".

A primeira etapa de revitalização do Porto teve início em junho de 2009 e conta com a recuperação da Praça Mauá, além da implantação do Museu do Amanhã, que será no Píer Mauá, e a construção do Museu de Arte do Rio de Janeiro. As obras estão orçadas em R$ 350 milhões.