Fed lança luz sobre retomada americana em meio à pandemia de covid-19

Expectativa do mercado é de manutenção dos juros, mas Jerome Powell deve trazer pistas para os próximos meses

Nesta quarta-feira (29), as atenções do mercado estarão voltadas para o Federal Reserve, o banco central americano, que encerra sua reunião de dois dias. A expectativa é que não haja alteração na taxa de juros, hoje na faixa entre 0% e 0,25%. No entanto, a coletiva de imprensa do seu presidente Jerome Powell pode trazer pistas sobre os próximos meses.

Ninguém espera que os juros subam no futuro próximo, mas o Fed pode deixar mais claro para quais indicadores olha com mais atenção e quais medidas estão sendo consideradas. Isso tem influência sobre a curva futura de juros, inflação e câmbio – tanto lá quanto no resto do mundo, incluindo o Brasil.

“O encontro do Comitê provavelmente envolverá um debate sobre a caixa de ferramentas com uma discussão sobre como mudar o eixo de políticas de ‘estabilização’ para ‘acomodação’”, diz um relatório do Bank of America Merrill Lynch assinado por Michelle Meyer, Mark Cabana e Ben Randol.

O Fed, que vem atuando intensamente na oferta de liquidez e de crédito desde o início da crise, precisa considerar vários pontos em movimento. Um deles é a trajetória da própria pandemia, indissociável da recuperação econômica.

Na época da última reunião do Fed, no início de junho, a situação do coronavírus parecia estabilizada nos EUA, mas desde então vários estados populosos como Flórida e Texas encaram um repique de infecções que levou a novos fechamentos de atividades.

Outro fator a ser considerado é a resposta de outros atores. No começo da semana, o Partido Republicano apresentou um novo pacote de estímulos de 1 trilhão de dólares que ainda precisa ser negociado dentro do partido e com os democratas e pode até crescer de tamanho.

Uma das medidas mais polêmicas é a redução do pagamento semanal de 600 dólares a desempregados, que expira no final do mês, para 200 dólares, como forma de incentivar que as pessoas voltem ao trabalho. Para qual trabalho exatamente, e sob qual risco de contágio, isso nem o Fed saberia responder. Mais imprevisível que a economia, só a pandemia.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.