• AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
  • AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
Abra sua conta no BTG

Fed anuncia decisão sobre juro e estímulo nesta quarta; veja o que esperar

Jerome Powell, presidente do banco central americano, pode sinalizar com o comunicado da reunião desta quarta um aumento a mais na taxa de juros em 2022
Jerome Powell, presidente do Fed, concederá entrevista coletiva nesta quarta-feira às 16h30 | Foto: Bloomberg (Bloomberg/.)
Jerome Powell, presidente do Fed, concederá entrevista coletiva nesta quarta-feira às 16h30 | Foto: Bloomberg (Bloomberg/.)
Por BloombergPublicado em 26/01/2022 06:20 | Última atualização em 26/01/2022 16:51Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

Por Craig Torres e Olivia Rockeman*

Os primeiros quatro anos de Jerome Powell como presidente do banco central dos Estados Unidos foram marcados pela façanha de salvar a economia de um desafio histórico como a pandemia. Seu segundo mandato -- e legado -- à frente do Federal Reserve será definido pelo esforço para salvar a economia americana de um superaquecimento.

Powell e seus colegas no Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês), que decidem e anunciam nesta quarta-feira, dia 26, a decisão sobre a taxa de juros e o programa de estímulos, tentam debelar a maior inflação em uma geração sem interromper os ganhos do mercado de trabalho.

A decisão será anunciada às 16h de Brasília, com a habitual entrevista coletiva de Powell na sequência, às 16h30.

Os riscos de errar nessa tentativa de pouso suave são grandes: um movimento muito rápido pode colocar a economia novamente em recessão, enquanto medidas muito lentas podem permitir que a inflação crie raízes.

O apoio emergencial de Powell aos mercados financeiros para enfrentar a disseminação da Covid-19 em 2020 ajudou a preparar o terreno para uma recuperação sólida em 2021. Sua destreza fez com que ele recebesse apoio dos dois grandes partidos do país e a nomeação do presidente Joe Biden para um segundo mandato.

Como a decisão do Fed vai impactar a economia brasileira e os mercados? Descubra com o relatório Spoiler Macro, do BTG Pactual. Veja como receber gratuitamente

Agora, “esse legado está sendo desafiado” por uma inflação muito alta e por uma resposta do Fed que, na visão de alguns economistas e analistas, está muito lenta, disse Tim Duy, economista-chefe da SGH Macro Advisors. “Vai ser difícil trazer a inflação de volta para a meta de 2% [ao ano]” rapidamente sem induzir uma recessão.

A expectativa dos mercados é que, após o término da reunião nesta quarta, as autoridades sinalizem um aumento da taxa básica de juros -- que está no intervalo entre zero e 0,25% -- em março.

Mas talvez Powell precise abrir caminho para mais acréscimos neste ano do que os três que foram sugeridos pelas previsões apresentadas em dezembro passado. Alguns analistas pedem que Powell indique a possibilidade de aumento potencial de juros em todas as reuniões se necessário.

Ele terá que equilibrar essa mensagem com o compromisso do Fed com uma nova estrutura que permita o aquecimento do mercado de trabalho em prol de ganhos abrangentes e inclusivos.

Há também a questão da fragilidade do mercado financeiro. O S&P 500 caiu 8,6% desde o fim do ano passado, em parte por causa do nervosismo em torno do aperto monetário.

Enquanto o líder do Fed se prepara para sua primeira entrevista coletiva do ano, críticos citam duas áreas em que uma maior clareza se faz urgente: o ritmo de aumentos de juros e o balanço patrimonial.

Um problema na comunicação do Fed é que as autoridades falam muito sobre seu cenário-base, mas não têm uma boa maneira de descrever a resposta coletiva a uma evolução rápida do cenário e atualizam suas previsões apenas uma vez por trimestre.

No momento, o cenário-base feito em dezembro não tem muita credibilidade, segundo Anna Wong, economista-chefe para os Estados Unidos da Bloomberg Economics.

A previsão do Fed é a de “desemprego caindo para 3,5% neste ano, abaixo da taxa sustentável de longo prazo, e permanecendo ali pelos próximos dois anos, mas ainda assim a inflação recuaria para 2,1% em 2024”, ressaltou.

Enquanto isso, as autoridades sinalizaram que a taxa básica de juros subiria para pouco acima de 2% -- sequer atingindo o que consideram território restritivo.

“Embora a palavra ‘transitória’ tenha sido aposentada [pelo Fed nos comunicados do FOMC], a previsão ainda sugere que as autoridades entendem que a inflação é impulsionada principalmente pela oferta e que desaparecerá por conta própria”, disse Wong, que espera cinco aumentos de juros pelo Fed neste ano.

(Com a Redação)