Europa aposta na vacinação e amplia reabertura econômica

Apesar das preocupações com a variante delta, as autoridades estão se curvando à frustração do público e aos pedidos das empresas, se afastando das medidas mais rigorosas de confinamento implantadas em 2020

Por Fergal O'Brien e Flavia Rotondi, da Bloomberg

Os governos europeus estão avançando a reabertura econômica, apostando na combinação de vacinas, protocolos sanitários e bom senso para permitir que a vida siga na direção da normalidade apesar do aumento nos casos de covid-19.

Apesar das preocupações com a rápida disseminação da variante delta, as autoridades estão se curvando à frustração do público e aos pedidos das empresas, se afastando das medidas mais rigorosas de confinamento implantadas em 2020. A visão prevalente, resumida por um representante do governo francês, é que é hora de “conviver com o vírus”.

No Reino Unido, o primeiro-ministro Boris Johnson deve confirmar o término das restrições na data planejada, em 19 de julho, incluindo a obrigação jurídica de uso de máscara em lugares fechados.

O anúncio de Johnson incluirá uma advertência sobre o aumento de casos e recomendará que as pessoas ajam com cuidado. Ele conta com essa postura e com a vacinação em massa para limitar a propagação da doença. Mais da metade da população do Reino Unido está totalmente vacinada, em comparação com a média de 40% entre os países integrantes da União Europeia.

“As vacinas são fantásticas, mas é preciso dar tempo para que funcionem”, disse Peter Openshaw, professor de medicina experimental da Imperial College, à rádio BBC. “Enquanto isso, é fundamental continuar com todas medidas que sabidamente reduzem o contágio.”

Os números mais recentes mostram que o aumento de casos está ligado a grandes aglomerações, principalmente por jovens adultos não imunizados.

Isso significa que, enquanto as autoridades descartam novas rodadas de lockdown, vários países estão sendo forçados a reintroduzir, ou pelo menos considerar, outras restrições.

Portugal ampliou o toque de recolher noturno para mais municípios. Os limites já se aplicam a Lisboa e alguns locais no Algarve que atraem muitos turistas. A França pode reintroduzir limitações para o número de frequentadores em bares, restaurantes e outros estabelecimentos, afirmou um alto representante do Ministério de Assuntos Europeus, Clement Beaune, à rádio Europe 1 no domingo.

“Precisamos conviver com o vírus e isso significa que não fechamos tudo novamente e não há tanta rigidez quanto antes porque existe vacina”, disse Beaune.

O governo da Grécia deve atualizar as medidas de combate ao vírus no início desta semana, podendo incluir novas restrições após um salto no número de casos.

Em Chipre, que agora é um dos locais mais preocupantes da pandemia na Europa, há limite de 50% da capacidade em locais fechados, como teatros e cinemas. A partir de 21 de julho, a capacidade poderá aumentar para 75%, desde que os clientes estejam totalmente vacinados ou tiverem contraído a Covid-19 nos últimos seis meses.

A Itália também estuda opções e, segundo a imprensa local, pode aumentar o nível de risco de "branco" para "amarelo" se as tendências atuais se mantiverem, o que poderia levar a restrições em bares e restaurantes.

Um ponto comum entre tantas regras é o apelo das autoridades para que as pessoas se vacinem, em meio a sinais de que as campanhas de imunização estão perdendo ímpeto.

Quer saber tudo sobre a economia e política internacional? Assine a EXAME e fique por dentro.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também