Estados Unidos vão emprestar US$ 17,4 bilhões à GM e Chrysler

Montadoras têm até 31 de março para apresentar plano de recuperação

O governo americano decidiu emprestar 17,4 bilhões de dólares à General Motors e Chrysler, respectivamente, a primeira e a terceira maiores montadoras dos Estados Unidos, que enfrentam uma profunda crise e corriam o risco real de ir à falência. Do total, 13,4 bilhões de dólares estarão à disposição das companhias imediatamente. Os recursos foram retirados do plano de socorro aos bancos, que soma 700 bilhões e aprovado em outubro pelo Congresso. A GM receberá 9,4 bilhões e a Chrysler, 4 bilhões. A Ford, segunda maior montadora americana, informou que não necessita de ajuda no curto prazo.

Outros 4 bilhões de dólares devem ser liberados em fevereiro à GM. Para tanto, espera-se que o Congresso aprove a liberação da segunda parte dos recursos do plano de socorro aos bancos - um total de 350 bilhões de dólares, de onde sairá o dinheiro para a montadora.

De acordo com o The Wall Street Journal, o socorro impõe algumas condições à empresa, como apresentar um plano de recuperação até 31 de março, apoiado por acionistas, fornecedores e clientes. Entre as condições para o uso do dinheiro, estão a suspensão do pagamento de dividendos e a emissão de warrants - títulos que conferem o direito de compra de certo ativo - vinculadas a ações preferenciais das companhias. A remuneração dos executivos também sofrerá restrições. Além disso, o governo passa a ter o poder de bloquear qualquer transação com valor superior a 100 milhões de dólares. Se o plano de reestruturação não for convincente, o repasse de recursos será suspenso e o dinheiro eventualmente sacado terá de ser devolvido.

Situação incomum

A ajuda às montadoras foi anunciada pela Casa Branca após muita relutância do governo Bush. Inicialmente, o presidente americano tentou induzir o Congresso a aprovar um plano próprio de recuperação do setor. A tentativa, porém, foi barrada pelos republicanos no Senado, que criticaram o uso de recursos públicos para resgatar as empresas. Para eles, a melhor opção era deixar as montadoras falirem, para então requisitarem a proteção do Capítulo 11 - semelhante à recuperação judicial no Brasil - e se reestruturarem.

A GM e a Chrysler reforçaram os pedidos de ajuda, alegando que não teriam condições de chegar ao fim do ano. Nesta quinta-feira (18/12), a Chrysler anunciou que suspenderia as atividades em suas 30 fábricas da América do Norte por um mês, à espera de socorro.

"Estas não são circunstâncias normais. No meio de uma crise financeira, permitir que a indústria automotiva americana entre em colapso não é uma linha responsável de ação", afirmou o presidente Bush, nesta sexta-feira (19/12). De acordo com a agência de notícias Bloomberg, o presidente eleito, Barack Obama, apoiou a medida e a considerou "um passo necessário' para evitar maiores pressões sobre a já delicada economia do país.

Segundo o WSJ, caberá ao governo Obama a tarefa mais difícil - o de garantir a viabilidade do socorro às montadoras. O plano divulgado pela Casa Branca estabelece um supervisor público para a sua execução. O secretário do Tesouro, Henry Paulson, será o encarregado da tarefa neste último mês do governo Bush. Obama terá a liberdade para escolher outro nome assim que assumir.

De acordo com analistas, o plano é um passo modesto para o resgate do setor automotivo, que ainda precisa provar sua viabilidade no longo prazo. De qualquer modo, o principal objetivo de Bush é evitar que uma das indústrias mais importantes do país - responsável por 3 milhões de empregos - entre em colapso em um momento já complicado para a economia.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.