Espanha e Irlanda dispensam ajuda

A partir de 15 de dezembro, os irlandeses não vão mais usar recursos internacionais para reequilibrar suas finanças

São Paulo - Dois países atingidos em cheio pela crise da zona do euro, a Irlanda e a Espanha sairão da tutela financeira da União Europeia. O anúncio foi feito em Bruxelas no final da noite de quinta-feira por Jeroen Dijsselbloem, coordenador do Eurogrupo, o fórum de ministros de Finanças da Europa.

A partir de 15 de dezembro, os irlandeses não vão mais usar recursos internacionais para reequilibrar suas finanças, retomando sua soberania econômica. Já os espanhóis abandonarão o plano de socorro em janeiro.

A decisão foi a mais importante da reunião do Eurogrupo. O melhor caso de sucesso é o da Irlanda, que recebeu um programa de resgate de € 85 bilhões há três anos. No encontro, o ministro das Finanças, Enda Kenny, informou seus colegas europeus que o país renunciaria à linha de crédito "de precaução" oferecida pela União Europeia, pelo Banco Central Europeu (BCE) e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), retornando ao autofinanciamento.

Ao longo de seu programa de reformas, a Irlanda reorganizou seu sistema financeiro e diminuiu o tamanho do Estado, sem, porém, atender à principal reivindicação da UE: extinguir o imposto de 12% que atraiu ao país grandes conglomerados como Google ou Apple. Além disso, três anos após o socorro o governo irlandês já retornou aos mercados financeiros, vendendo títulos da dívida soberana com juros razoáveis - 3,5%, taxa inferior à cobrada da Itália, da Espanha e do Brasil, por exemplo -, e soma reservas suficientes para garantir sua solvência até o início de 2015, se necessário. "Também estamos aptos a acessar os € 500 bilhões do Mecanismo Europeu de Estabilidade", lembrou o ministro, referindo-se à versão de FMI criada por Bruxelas durante a crise. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. (Andrei Netto, correspondente em Paris)

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também