Economias europeias crescem em ritmo recorde à beira de novos lockdowns

Alerta com o ressurgimento de novas infecções e lockdowns, deixa a Europa ainda mais atrás dos EUA e da Ásia em sua recuperação econômica

As economias europeias cresceram em um ritmo recorde no terceiro trimestre, mas em alerta com o ressurgimento de infecções por coronavírus e novos lockdowns, deixando a Europa ainda mais atrás dos EUA e da Ásia em sua recuperação econômica.

Números divulgados pela agência de estatísticas da União Europeia nesta sexta-feira (30) mostraram que a média do produto interno bruto (PIB) dos 19 membros da Zona do Euro foi 12,7% maior nos três meses até setembro do que no trimestre anterior, tendo caído 11,8% nos três meses até junho.

    O crescimento durante o terceiro trimestre foi mais forte do que nos EUA. Isso refletiu amplamente o fato de que o lockdown do segundo trimestre foi mais rigoroso e duradouro na Europa, levando a uma recuperação especialmente grande depois que as restrições foram suspensas.

     (EXAME Research/Exame)

    No entanto, essa recuperação já está paralisada, à medida que as infecções aumentaram novamente e os consumidores evitam comer fora, viajar e se divertir pessoalmente, enquanto as empresas estão mais cautelosas. Os líderes de toda a Europa têm controlado firmemente as atividades sociais e econômicas. O novo lockdown parcial, anunciado na França e na Alemanha para conter a segunda onda do vírus, gerou receio nos mercados nesta semana, temendo que as economias demorem mais para se recuperar.

    A economia alemã cresceu 8,2% no terceiro trimestre, recuperando-se da pior recessão de todos os tempos causada pela pandemia de covid-19. O salto do PIB de julho a setembro foi o maior desde 1970, quando a agência começou a coletar dados, e foi mais forte do que o aumento de 7,3% previsto por economistas em uma pesquisa da Reuters. A recuperação foi impulsionada pelo maior consumo, retomando os investimentos em equipamentos e exportações.

    A economia da Itália cresceu 16,1% na comparação com o trimestre anterior, mas ainda recua 4,7% em relação ao 3º trimestre de 2019. Na Espanha, o PIB cresceu 16,7%, também na comparação com o segundo trimestre, mas ainda está 8,7% abaixo do que há um ano. No segundo trimestre, a economia italiana encolheu 12,8% e a espanhola, 18,5%.

    Na França, o PIB se recuperou no terceiro trimestre após sofrer sua maior contração histórica no trimestre anterior. Dados divulgados nesta sexta-feira (30) pelo instituto de estatísticas francês, mostram que o PIB do país cresceu 18,2% no terceiro trimestre ante os três meses anteriores.

     

     

    Nesta semana, a França e a Alemanha decretaram lockdowns parciais em suas cidades. No novo “confinamento” na França, que inicialmente vai até 1º de dezembro, bares e restaurantes deverão ser fechados, assim como qualquer outro comércio não-essencial. Reuniões públicas estão proibidas, mas reuniões familiares privadas são permitidas. As creches, escolas e colégios também continuam funcionando, enquanto as universidades oferecerão aulas pela internet. Diferentemente do primeiro lockdown, os serviços públicos permanecem em funcionamento.

    Já na Alemanha, o governo federal consolidou acordo com líderes locais que prevê o fechamento de restaurantes, bares, cinemas e teatros pelas próximas quatro semanas. Lojas e escolas, contudo, permanecerão abertas.

    O Reino Unido ainda resiste à pressão para impor um segundo lockdown nacional depois que França e Alemanha adotaram restrições abrangentes que colocou os serviços de saúde no limite.

     

     

    Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


    Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


    Falta pouco para você liberar seu acesso.

    exame digital

    R$ 15,90/mês

    • Acesse onde e quando quiser.

    • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
    Assine

    exame digital + impressa

    R$ 29,90/mês

    • Acesse onde e quando quiser

    • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

    • Edição impressa mensal.

    • Frete grátis
    Assine

    Já é assinante? Entre aqui.

    Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.